conecte-se conosco


Cidades

100 bairros aguardam asfalto na Capital

Publicado

Asfalto na porta de casa ainda é o sonho para muitos cuiabanos. Na Capital, 30% dos bairros ainda não são completamente asfaltados. Dos 325 existentes na cidade, 100 bairros possuem mais de 300 quilômetros em ruas que aguardam pavimentação e, a maioria, mais de 60%, está na região Sul. Secretaria de Obras de Cuiabá acredita que a universalização do asfalto é possível mas que deve levar em média 10 anos. Para especialista, isso é uma utopia. Obras de asfaltamento demandam investimentos em torno de R$ 1 milhão a cada 1 km.

 

A secretaria dividiu a Capital em 4 regiões, sendo a Oeste, que abrange parte do centro, a que menos possui bairros com ruas sem asfalto. Nessa região apenas 16 bairros precisam receber serviço de pavimentação. A região Leste, onde estão bairros como Dom Aquino e Jardim da Américas, ainda tem 18 bairros nessas condições. Já a Sul, que abrange a região do Coxipó, possui 44 bairros à espera dos serviços. Na região Norte, no fundo do CPA, 21 ainda convivem com a terra.

Moradores reclamam da demora das obras e dos problemas diários enfrentados. Na rua 11 do bairro Castelo Branco, a costureira Jacira Martins, 46, afirma que sofre com problemas de saúde por causa da poeira e, no período chuvoso, sofre com a lama. “O ano todo eu tenho problemas. Se está seco é muita poeira, eu tenho bronquite e a situação fica difícil. Se está chovendo, vira lama. Carro passa na porta de casa jogando lama na gente”.

Leia mais:  Mulher com tornozeleira é presa e oferece sexo para ser solta por policiais

 

O bairro já está recebendo obras para a pavimentação mas, não há previsão de entrega. Quando a reportagem esteve no local não havia nenhum trabalhador, apenas as máquinas.

 

Secretário Vanderlúcio Rodrigues reconhece que muitos bairros ainda precisam de asfalto, alguns até mesmo de obras de conclusão dos quilômetros que faltam e afirma que as obras têm avançado mas, que Cuiabá também tem crescido e, com isso, cresce a demanda por pavimentação. Além disso, as obras de asfaltamento demandam investimentos altos, em torno de R$ 1 milhão a cada 1 km.

Ele afirma que o programa de infraestrutura viária lançado pela Prefeitura de Cuiabá, “Minha Rua Asfaltada”, segue avançando pela cidade e já apresenta resultados significativos em mais de 40 bairros. São os casos, por exemplo, dos bairros Jardim União, Jardim Florianópolis, Jardim Umuarama, Santa Cruz, Bela Vista, Dr. Fábio Leite 1 e 2, onde estão sendo realizadas obras de drenagem, pavimentação, e construção de meio-fio e calçadas.

 

Com várias frentes de trabalho atuando em diferentes etapas, conforme o cronograma preestabelecido, o programa está levando mais de 220 km de asfalto, mas o ritmo das obras deve diminuir nas próximas semanas por causa das chuvas. “Nessa época de chuva não tem como dar continuidade, aí o pessoal dedica ainda mais nos serviços de manutenção que já ocorrem diariamente”. O secretário explica que a prefeitura tem concentrado esforços em asfaltar 100% dos bairros que estão recebendo serviços já que, um dos problemas encontrados, é que em gestões anteriores alguns desses locais tiveram apenas a linha de ônibus pavimentada, como é o caso do Real Parque. “Em muitos desses locais o asfalto é perdido e precisa ser todo refeito, pois como as outras ruas não são, toda água e terra descem até ele e deteriora”.

Leia mais:  BR-163: Concluída obra de duplicação até a Crystal

Em relação à qualidade, o secretário ressalta que tem sido feito sistema de drenagem para garantir o escoamento das águas. Além disso, a concessionária que é responsável pelos serviços do esgoto está com frentes de obras em 2 a 3 pontos. “Esgoto é terceirizado e a concessionária está realizando obras”.

Comentários Facebook
publicidade

Cidades

Mulheres vivem 6 anos a mais que homens em Mato Grosso

Publicado

As Tábuas Completas de Mortalidade do IBGE mostraram que, em Mato Grosso, as mulheres vivem 6,7 anos a mais que os homens. Fatores como redução da fecundidade e acesso a serviços médicos contribuíram para que os mato-grossenses atingissem a expectativa de vida de 74,7 anos em 2018, idade menor que a média nacional, que é de 76,3 anos.

 

Em 1980, a chance de uma pessoa nascida em Mato Grosso chegar aos 80 anos era de 268 indivíduos a cada mil habitantes. Em 2018 esse número passou para 562 pessoas a cada mil moradores, o que representa um aumento de 109,7%.

Segundo o estudo do IBGE, para 2060, a perspectiva é que de cada mil habitantes, 623 cheguem aos 80 anos, sendo o 11º pior resultado no país.

Já para quem nasce as probabilidades de completar o primeiro ano de vida são alvo de alerta. Dos recém-nascidos em Mato Grosso, 16,8% não chegarão ao primeiro ano, sétimo pior percentual entre os estados brasileiros. O menor risco é no Espírito Santo, onde apenas 8,1% dos nascidos não completa um ano de idade.

Leia mais:  Processo seletivo para o novo PS tem mais de 1,2 mil vagas

Comentários Facebook
Continue lendo

Cidades

Lago do Manso é propicio para desenvolvimento de piranhas; biólogo faz alerta

Publicado

Pelo menos quatro ataques de piranhas foram registrados nas últimas semanas no Lago do Manso, que pertence ao município de Chapada dos Guimarães (64 quilômetros de Cuiabá). De acordo com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), por conta do baixo ou nenhum movimento de água, o local é propício para ao desenvolvimento do peixe, que ganhou fama de predadora dos rios.

O biólogo Davi Soares explica ao Olhar Direto que os casos de ataque de piranhas ocorrem principalmente por proteção de território. “Na região do Manso era um rio e não tinha local pra elas ficarem. A quantidade está acima do que deveria estar e isso pode ser preocupante, pois elas podem aumentar ainda mais o número de indivíduos nos próximos anos”, alerta. Para ele, uma alternativa seria diminuir a população dos peixes com pesca direcionada, além da verificação dos principais pontos de reprodução.

Conforme a Sema, estes peixes normalmente são atraídos por sons de frutas e sementes que caem de árvores e batem na água. Eventualmente, poderão haver ataques a pessoas ou animais e, para que isso ocorra a piranha precisa de um chamariz. Diante deste cenário, a Pasta orienta a população que evite hábitos como jogar comida, entrar na água com qualquer lesão não cicatrizada no corpo (segundo relatos, a piranha percebe uma gota de sangue em aproximadamente 200 litros de água) ou mesmo urinar, pois são ações que poderiam atrair a atenção desses peixes.

Os primeiros registros de ataques no Lago do Manso aconteceram em 2011. Na época, uma equipe de analistas de meio ambiente da Coordenadoria da Fauna e Recursos Pesqueiros, com biólogos e veterinário, fizeram uma visita técnica na área do reservatório.

O regime hidrológico da área possui duas épocas distintas: seca (abril – agosto) e chuvosa (setembro – março). Construído com função de aproveitamento múltiplo da água que é utilizada para geração da energia elétrica e pela regularização do nível das águas do rio Cuiabá e, consequentemente utilizado para o desenvolvimento do ecoturismo na região, o que permite passeios náuticos e possui formação de prainhas para banhistas.

De acordo com relatório produzido após a inspeção, na área que corresponde ao reservatório do Manso ocorre a presença de três espécies de piranhas: (Serrasalmus maculatusS.marginatus e Pygocentrus nattereri). A prática da ceva, possivelmente influencia indiretamente no crescimento da população de piranhas por promover a aglomeração de espécimes de peixes que podem servir como alimentos para elas, consequentemente haverá também a concentração desses indivíduos nesses locais.

Leia mais:  Atividades são realizadas para celebrar o Meio Ambiente em MT

Considerando que o reservatório é utilizado para a prática de recreação aquática, foi recomendado fazer uma sinalização aos usuários sobre a incidência de piranhas no local, para evitar o desconforto de eventual mordedura. Esta sinalização pode ser feita com placas ou mesmo folhetins informativos, além da informação verbal, sobretudo em locais onde há maior concentração de banhistas.

Pecuarista, médico e amigos são atacados por piranhas

Banhistas que frequentam o Lago do Manso relataram pelo menos quatro ataques de piranha em um intervalo de três semanas. Olhar Direto ouviu duas das vítimas, que estavam aproveitando o dia em ilhas da região e acabaram sendo feridas. Segundo pessoas que trabalham na região, os casos estão aumentando.

O pecuarista Alex Jorge Figura, 41 anos, foi uma das vítimas. Ele estava hospedado em um resort com a família, comemorando o aniversário da mãe, na última quarta-feira (27), quando houve o ataque. “Nós temos uma lancha e resolvemos ir até a região da ‘Ilha Bora Bora’, no Morro do Chapéu. Fomos em seis adultos e duas crianças (quatro e cinco anos). Todos entramos na água, sendo que eu fui na parte mais funda, com profundidade entre a cintura e o peito”.

“Após três minutos que eu estava na água, senti uma mordida pequena. Logo percebi que era piranha, fui tirar o pé e ela deu uma sequência de três mordidas. Sai da água sangrando bastante. Eu retornei ao resort e fui atendido no ambulatório. Lá, a enfermeira disse que os casos deste tipo andam aumentando”, completou o pecuarista.

Ainda conforme Alex, ele e seus familiares conseguiram perceber depois que, no local, havia um cardume com pelo menos 30 peixes. “Apenas uma me atacou. Meus amigos que conhecem a região disseram que isso aconteceu porque elas fazem ninhos naquela região. Provavelmente eu estava perto de um. Acredito que por isso somente um dos peixes me atacou”.

Leia mais:  Reportagem denuncia desvio de verba indígena em MT

Depois do ataque, todos saíram da água e retornaram ao resort. “Acredito que estejam ali porque sentem a chegada das lanchas e sabem que ela funciona como uma ‘ceva’. Todos que frequentam a região fazem churrasco e acaba caindo comida na água”, comentou o pecuarista.

Pecuarista, médico e amigos são atacados por piranhas no Lago do Manso;  veja relatos

O médico Igor Teixeira, 29 anos, também foi uma das vítimas da piranha. “Aconteceu há três semanas. Fui passar o dia na região, em uma ilha que tem por lá. Estávamos na água e começou a escurecer o dia. Senti uma mordida no pé e quando fui ver estava sangrando o dedo. Sai correndo”.

Igor ainda relata que dois amigos que estavam com ele no local também acabaram mordidos pelas piranhas. “A gente nem sabia que tinha estes ataques por lá. Da um medo. Não retornei para lá depois disto e nem sei quando voltarei. Foi bem extenso o machucado, na ponta do dedão, mas não precisou suturar”.

Outros ataques

No feriado do dia sete de setembro de 2017, cinco ataques de piranhas foram registrados no Lago do Manso. Á época, o diretor técnico da Associação dos Aquicultores do Estado de Mato Grosso (Aquamat), Darci Carlos Fornari, afirmou que a criação da barragem propiciou a proliferação das piranhas no lago.

“Por dois motivos a criação da barragem propiciou a procriação e a proliferação das piranhas. O primeiro é que ela é uma espécie que se reproduz em águas calmas, e o Manso é assim. O outro motivo é que as espécies predadoras, que se alimentam de piranhas, não conseguem mais subir o rio, por causa da barragem”.

O motivo para os ataques, segundo Fornari, seria porque as piranhas estariam defendendo seu ninho. “Ela é não é um animal que ataca, ela se defende, então tem que ver onde ocorreram estes ataques, porque é provável que tenham ocorrido perto dos ninhos delas. É preciso fazer um estudo minucioso, para encontrar alguma solução, porque no momento nada está sendo feito”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana