conecte-se conosco


Agronegócio

Agricultura de Precisão: Novas soluções para cadeia do algodão em MT

Publicado

“Aqui é o local para você alinhar e encontrar as soluções para os nossos desafios”. Essas foram as palavras iniciais do presidente da Associação Mato-Grossense do Algodão (AMPA) e do Instituto Mato-Grossense do Algodão, Alexandre Pedro Schenkel, na visita à Embrapa Instrumentação, em São Carlos (SP), para conhecer os resultados da parceria em Agricultura de Precisão.

Schenkel, agricultor em Campo Verde, e que também exerce os cargos de vice-presidente do Conselho Administrativo da Abrapa – Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, presidente do IAS – Instituto Algodão Social e presidente do Conselho de Administração do IPA – Instituto Pensar Agro, destacou que os produtores do estado se identificam muito com as novas tecnologias, que têm um perfil mais desruptivo e gostam de inovações.

Com uma produção anual de 1,7 milhão de toneladas em uma área de 1,1 milhão de hectares, Mato Grosso produz dois terços do algodão brasileiro, a maior parte para exportação – até o início da década de 90 o Brasil era importador. “A conexão entre o conhecimento produzido em nossos laboratórios com a prática dos produtores do Centro-Oeste está resultando em metodologias e recomendações para tornar o setor ainda mais competitivo, é uma parceria estratégica para ambos”, disse o chefe-geral da Embrapa Instrumentação, João Naime.

No Laboratório de Referência Nacional em Agricultura de Precisão (Lanapre), ele conheceu os detalhes das pesquisas que envolvem fazendas em Sapezal – dos grupos Scheffer e Amaggi – e Rondonópolis – das Sementres Petrovina. O pesquisador Ricardo Inamasu, líder da Rede de Agricultura de Precisão, falou sobre o resultado obtido com as metodologias de uso de sensoriamento proximal e aéreo para identificar a variabilidade na área e administrar os fatores limitantes de produção.

 

NA TERRA E NO AR

Os resultados do projeto de Agricultura de Precisão liderado pela Embrapa envolvem ainda a obtenção de parâmetros agronômicos por experimentação on-farm para subsidiar a aplicação de sementes e fertilizantes à taxa variável, além do mapeamento de áreas com sintomas de ocorrência de ataques de fitonematoides e sua correlação com atributos do solo e a produtividade do algodoeiro.

Os experimentos, que começaram há dois anos (em algumas áreas há menos tempo), incluem também protocolos de amostragem de solos (tema discutido em workshop da Rede AP), sensoriamento remoto, imagens aéreas, mapas de teores de matéria orgânica dos solos, e condutividade elétrica aparente dos solos para delineamento de unidades de gestão diferenciada (UGD) em áreas de produção, que foram explicados em detalhes pelos pesquisadores Carlos Vaz e Lúcio Jorge, da Embrapa Instrumentação e pelo analista Eduardo Speranza, da Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP).

A parceria contempla também, entre os resultados, a análise semiautomática de dados georreferenciados para extração de conhecimento e o auxílio à tomada de decisão em questões relacionadas à gestão da lavoura. “O algodão tem uma característica de utilizar muita tecnologia em praticamente todos os seus processos”, lembrou o presidente da AMPA e do IMAmt, destacando que o uso de drone, por exemplo, pode auxiliar no monitoramento de pragas na lavoura.

A discussão sobre outras tecnologias com potencial para utilização na cotonicultura incluiu uma visita aos laboratórios de Óptica e Fotônica, Ressonância Magnética Nuclear e ao Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio (LNNA), onde pesquisadores e empresas parceiras apresentaram soluções já no mercado ou em desenvolvimento que são aplicadas em outras cadeias produtivas.

“O que a gente viu aqui brilha aos olhos, a inovação que nós precisamos no nosso campo, acompanhando a evolução e a eficiência que temos nas nossas lavouras, nas nossas propriedades. Com certeza, isso é uma referência na nossa tecnologia brasileira”, declarou Alexandre Schenkel, ao final do encontro.

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Conflito entre EUA e Irã preocupa produtores rurais de MT

Publicado

A relação comercial entre Mato Grosso e Irã é antiga e importante. De janeiro a novembro de 2019 o país pagou mais de U$ 700 milhões pelos produtos daqui. Carne bovina foi um deles, já que o Irã é o terceiro maior comprador.

Conforme Paulo Bellincanta, presidente do Sindicato das Indústrias Frigoríficas de Mato Grosso (Sindifrigo-MT), o Irã ganhou representatividade para o mercado mato-grossense devido ao volume da exportação.

“Não há mercado que não seja importante. O Irã ganha uma importância pelo volume que tem levado nos últimos anos. Então é importante que possamos até ampliá-lo. Qualquer conflito internacional tem um peso na economia e para nós do setor da carne um peso muito direto, muito imediato”, afirmou.

A preocupação é causada pela tensão no Oriente Médio, que aumentou depois dos ataques entre Estados Unidos e Irã nos últimos dias. Em MT quem analisa o mercado de commodities e tudo que possa impactar nele ficou em alerta para possíveis reflexos, tanto nas exportações quanto nas importações do Irã.

O petróleo é o principal produto do país do Oriente Médio e os combustíveis são essenciais para o funcionamento do agronegócio.

Segundo o gestor técnico do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Cleiton Gauer, a atenção deve ser para o milho. O país é o segundo maior consumidor do Brasil e o quarto maior do estado. O interesse também está no que volta de lá, já que o Irã tem o menor preço de um insumo muito usado na produção do cereal, a ureia.

Apesar do apoio aos Estados Unidos logo apos o ataque norte-americano, um dia depois o presidente Jair Bolsonaro se posicionou de forma mais neutra, o que para representantes do agronegócio é a melhor opção para manter os caminhos abertos e desenvolvimento do setor no estado.

“Que o nosso país possa, como sempre fez, estar em um caminho de apaziguar e não de pôr lenha na fogueira e que possamos ter isso resolvido quanto antes para que economia não sofra”, disse Paulo Bellincanta.

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Foco de ferrugem asiática é detectado em lavoura de soja em MT

Publicado

Um foco de ferrugem asiática foi detectado em propriedade rural de uma região conhecida como Chapadão do Rio Verde, zona rural de Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá. A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) está acompanhando o caso.

De acordo com o gerente da propriedade, a doença foi identificada apenas em uma planta. Dessa maneira, o diretor administrativo da Aprosoja, Lucas Costa Beber, explica que este pode ser um caso isolado e que ainda não implica perdas significativas na lavoura.

Entretanto, segundo ele, a Aprosoja vai acompanhar se há evolução da doença.

“Vamos visitar a fazenda para verificar se houve proliferação. Mas, por enquanto, não há motivo para pânico. Além disso, hoje em dia, temos tecnologia para combater a ferrugem sem grandes perdas. O produtor que fez as aplicações corretamente pode ficar tranquilo”, afirmou Beber.

Ele Ressaltou ainda que este não é um motivo fazer aplicações desnecessárias na lavoura. “Quem já fez as aplicações preventivas e está acompanhando a lavoura não deve ser prejudicado pela incidência da ferrugem”, explicou.

Beber destacou que as percas poderiam ocorrer se a doença tivesse sido detectada antes no período reprodutivo da planta, ou seja, da formação dos grãos. Entretanto, a primeira aplicação de fungicida deve ter sido feita antes desta fase.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana