conecte-se conosco


Mato Grosso

Chuva dá trégua e calor segue forte em todo o Estado

Publicado

As chances de chuva diminuem essa semana, em Mato Grosso, e o calor continua forte. Nesta segunda-feira (13), a previsão é de mínima de 25°C e máxima de 34°C, segundo o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (Cptec).

Para a terça-feira (14) a previsão segue a mesma do dia anterior. Já a quarta-feira (15) terá temperaturas entre 26°C e 35°C. Na quinta-feira (16), os termômetros marcam entre 26°C e 35°C. A temperatura deve ficar entre 26°C e 35°C. A previsão é de chuva para segunda, quinta e sexta.

Em Sinop (500 km ao Norte) os termômetros marcam entre 21°C e 34°C, durante a semana. Chove todos os dias.

A previsão para Cáceres (225 km a Oeste) é de mínima de 24°C e máxima de 35°C nos próximos dias. A previsão é de chuva para segunda, quinta e sexta.

O Cptec aponta mínima de 23°C e máxima de 35°C em Rondonópolis (215 km ao Sul). A previsão é de chuva para segunda, quinta e sexta.

Comentários Facebook
Leia mais:  MT transfere mais R$ 1 mi para hospitais filantrópicos
publicidade

Mato Grosso

Menina de 1 ano se afoga em balde d’água

Publicado

Uma menina de 1 ano foi socorrida depois se afogar um em balde água, nesse domingo (26), no Bairro Jardim Esmeralda, em Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá. A família disse que a criança brincava na varanda de casa quando caiu na água.

O balde no qual ela caiu acumulava a água que sai da máquina de lavar. A Polícia Militar foi chamada e prestou os primeiros socorros para a criança. Em seguida, ela foi socorrida pelos médicos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

A criança continua internada na UPA e deve passar por exames nesta segunda-feira (27).

Comentários Facebook
Leia mais:  Estado está "50% otimista" de conseguir empréstimo de US$ 250 mi em 1 semana
Continue lendo

Mato Grosso

Diretor do Sindipetróleo confirma que Governo falou a verdade sobre preço do etanol

Publicado

O diretor-executivo do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Mato Grosso (Sindipetróleo), Nelson Soares Junior, confirmou que o Governo do Estado não é o responsável pelo aumento do preço do etanol em Mato Grosso.

Em artigo publicado no último sábado (25), o sindicalista explicou que a elevação dos preços não é um fenômeno causado por um único motivo e que a situação tem ocorrido em pelo menos 23 estados do país. Em Mato Grosso, o preço médio do litro subiu de R$ 2,91 em dezembro de 2019 para R$ 3,20 em janeiro deste ano.

De acordo com Nelson, os aumentos decorreram de “diferentes fatores”, entre eles a elevação de cerca de R$ 500 no preço do metro cúbico da cana-de-açúcar em razão do fim da safra e a diminuição dos estoques de etanol, “provocada pela manutenção da alta demanda, decorrente do aquecimento da economia nacional, notadamente no setor de consumo”.

Outro motivo, segundo o dirigente, é que a Petrobras anunciou aumentos no valor da gasolina e no diesel, fato que causou um “efeito cascata” nos demais produtos, incluindo o etanol.

Leia mais:  Secretário elogia "time" e lembra que Mauro não fez trocas no 1º escalão

“Por estas razões, desde o início de dezembro de 2019, as distribuidoras aumentaram diversas vezes o valor do combustível, sendo esta a principal razão dos sucessivos aumentos noticiados nos postos a partir de então”, disse.

Nelson Junior afirmou que a legislação que reduziu os incentivos fiscais e passou a vigorar neste ano teve impacto no preço, mas reforçou que o dado divulgado pelo Governo do Estado “está correto”. Ou seja, que a redução do incentivo, por si só, poderia acrescer no máximo seis centavos no preço final.

“Em relação aos postos revendedores, tratando-se de empresas, que possuem inúmeros custos para a manutenção da sua atividade econômica, cada revendedor tem a sua realidade econômica e contábil, que inevitavelmente reflete nos preços de seus produtos”, relatou.

Segundo o diretor do Sindipetróleo, também pesou no preço as despesas extraordinárias dos postos de combustível, “tais como, décimo terceiro e demais encargos trabalhistas e previdenciários dos colaboradores, taxas dos órgãos de fiscalização periódica, tributos decorrentes da atividade econômica, dentre outros, que devem ser custeadas pela renda auferida com a venda dos produtos”.

Leia mais:  Energisa admite falha, mas nega dívida de R$ 600 mi com Governo

É importante destacar que, apesar da redução do incentivo fiscal, Mato Grosso é o 2º estado com a melhor alíquota do país para o etanol.

“Todos esses aspectos convergem para o aumento no preço médio de venda do etanol em Mato Grosso, que, apesar disso, se mantém entre os estados com o etanol mais barato do país, mantendo a competitividade em relação à gasolina”, disse Nelson Junior.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana