conecte-se conosco


Barra do Garças

Corpo de Bombeiros prepara soldados para combate aos incêndios florestais em Mato Grosso

Publicado

O Estágio de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais, realizado para os alunos do Curso de Formação de Soldados do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso será concluído hoje. O estágio é parte da grade curricular do curso e prepara os bombeiros para atuarem nas ocorrências de incêndios florestais já nesta temporada de seca que tem início em julho. Os bombeiros estão preparados para atender mais de 600 ocorrências.

A unidade responsável pelo conteúdo do estágio é o Batalhão de Emergências Ambientais do Corpo de Bombeiros Militar. O BEA é a unidade especializada em prevenção e combate a incêndios florestais e em resposta a emergências com produtos perigosos. Durante o treinamento os militares habilitam-se para as técnicas de aproximação das chamas, produção de aceiros, manutenção das ferramentas e para cuidarem da própria segurança e dos companheiros.

Neste ano, os “florestais”, como são chamados os bombeiros capacitados para esse tipo de ocorrência, terão apoio de mais uma ferramenta para a gestão de incêndios florestais, as salas se situação desconcentradas. Elas se somam aos florestais e às brigadas mistas municipais como apoio intermediário de unidades de gestão de incêndios florestais com autonomia para a tomada de decisões sobre a prevenção e enfrentamento às ocorrências. A função das quatro salas (Tangará, Cáceres, Sinop e Barra do Garças) é escalar equipe, providenciar viaturas e equipamentos necessários para o combate.

Leia mais:  Polícia recupera R$ 100 mil em joias em MT

Segundo o Major Jean Carlos Oliveira, do Batalhão de Emergências Ambientais, as despesas com deslocamento e diárias aumentam consideravelmente durante a temporada de incêndios florestais. “Durante três meses, a Temporada de Incêndios Florestais demanda quase a mesma quantidade de diárias que a corporação inteira durante o resto do ano, é um grande desafio administrativo e logístico”, ressaltou, por meio da assessoria.

O mês de fevereiro tem sido o de menor registro de ocorrências de incêndios e queimadas. Em 2018, por exemplo, foram 24 ocorrências em todo o estado, contra 675 no mês de julho. O aumento é de mais de 30 vezes em cinco meses. A soma de janeiro até 17 de junho já conta com 405 ocorrências atendidas. Nos cinco primeiros meses deste ano, a média é de 35 ocorrências atendidas, mas o mês de junho já puxa a média para cima.

Os números de ocorrências se referem aos atendimentos prestados pelo Corpo de Bombeiros. A quantidade de focos de calor, registrados pelo Instituto de Pesquisas Espaciais é bem maior. Os satélites registram focos de calor em plantações e florestas sem que ninguém abra um chamado, mas ainda assim são contados no total de focos de calor.

Leia mais:  Comandantes do 5º Comando Regional recebem homenagens da AL

Redação Só Notícias (foto: Henrique Cotrim)

Comentários Facebook
publicidade

Barra do Garças

MPF exige fechamento de rodovia que corta terra indígena em MT

Publicado

FolhaMax

O Ministério Público Federal em Barra do Garças (MPF/MT) ingressou com Ação Civil Pública (ACP) contra o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e contra a União Federal. A ACP tem como objeto o fechamento do traçado da BR-158, trecho que corta a Terra Indígena (TI) Marãiwatsédé, no prazo limite de um ano após o trânsito em julgado da decisão, sob pena de multa diária de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) em favor da comunidade indígena Xavante Marãiwatsédé.

Objetiva, igualmente, provimento jurisdicional para que o Ibama se abstenha de emitir licenças a quaisquer empreendimentos que eventualmente interceptem a T.I. Marãiwatsédé, incluindo o referente ao traçado que abrange os Municípios de Bom Jesus do Araguaia, Serra Nova Dourada e Alto da Boa Vista, enquanto não efetivamente atendidos os requisitos legais para o licenciamento ambiental e as condicionantes estabelecidas, sob pena de multa.

Requer, ainda, provimento jurisdicional em face do Dnit para determinar a autarquia que apresente e execute o Plano Básico Ambiental no âmbito do processo de regularização ambiental da BR-158, de forma a assegurar adoção de imediatas medidas mitigatórias/compensatórias decorrentes do uso do trecho que corta a terra indígena, no prazo de 18 meses contatos do trânsito em julgado, sob pena de multa diária de R$1.000,00 (mil reais) em favor da comunidade indígena Xavante de Marãiwatsédé.

Leia mais:  Polícia recupera R$ 100 mil em joias em MT

A ação é resultado do Inquérito Civil Público número 1.20.004.000750/2012-85, instaurado para acompanhar a mudança de traçado da BR-158. Diversas reuniões e diligências foram realizadas desde então.

Em uma das reuniões deliberou-se pela necessidade de providências imediatas e urgentes no sentido de promover a gradativa desativação do trecho no interior da TI, mediante o cascalhamento das estradas já existentes, parcialmente coincidentes com o traçado previsto para o contorno leste da rodovia. Deliberou-se, ainda, pelo não condicionamento do licenciamento do contorno leste à reparação dos danos já causados à comunidade indígena. Firmou-se também o compromisso de restringir o tráfego e mitigar os danos atuais relativos ao trecho que corta a TI, bem como permitir o tráfego local de veículos de grande porte nas estradas vicinais já existentes, que fazem parte do contorno leste. Por fim, a Funai comprometeu-se a apresentar ao Ibama proposta de ações para assegurar a inclusão e execução do Plano Emergencial, a ser custeado pelo empreendedor, com o fim de mitigar os impactos gerados no interior da TI.

Leia mais:  Estudante de Medicina de MT morre de dengue no Paraguai

Em 2018 também foi realizada audiência pública promovida pela Câmara dos Deputados no intuito de discutir novo traçado de trecho da BR-158. Conforme matéria divulgada pela Procuradoria Geral da República (PGR), o trecho, localizado no noroeste do estado de Mato Grosso, foi originalmente projetado para passar por dentro da terra indígena Marãiwatsédé, o que tem gerado a violação continuada dos direitos indígenas e danos socioambientais. Foi acordado um novo traçado, que contornará a terra indígena de modo a cessar a continuidade dos impactos socioambientais e atender à população dos municípios de Portinópolis, Alto Boa Vista, Serra Nova Dourado e Bom Jesus do Araguaia.

Terra Indígena Marãiwatsédé – está localizada nos municípios de Alto Boa Vista, Bom Jesus do Araguaia e São Félix do Araguaia. Fica no divisor das águas das bacias do Araguaia e Xingu, em uma região de transição entre os biomas da Amazônia e do Cerrado.

Comentários Facebook
Continue lendo

Barra do Garças

Passarela de empresa desaba e deixa quatro funcionários feridos

Publicado

FolhaMax

Uma passarela desabou e ao menos quatro pessoas ficaram feridas na tarde desta quinta-feira (4) no frigorifico da JBS Friboi, em Barra do Garças (500 Km de Cuiabá). As informações preliminares são de que duas pessoas estão em estado grave e outras duas com ferimentos leves.

Todas encaminhadas à unidade de saúde. O local do acidente é uma espécie de “túnel” num galpão.

Equipes do Corpo de Bombeiros fazem varredura para verificar se ainda há possibilidade de uma nova queda na estrutura no local.

A Polícia Militar foi acionada e também presta auxílio à ocorrência.

Comentários Facebook
Leia mais:  Em 5 anos, um caso de feminicídio é registrado em Barra do Garças (MT) e queda é atribuída a programa de proteção e combate à violência
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana