conecte-se conosco


Agronegócio

CRÉDITO RURAL: Cooperativas de crédito ganham força

Publicado

do PORTAL DO AGRONEGÓCIO

O avanço ultrapassa com folga o crescimento dos outros agentes que atuam nesse mercado e já incomoda tanto o Banco do Brasil, líder histórico no segmento, quanto as instituições privadas que também estão fortalecendo sua atuação no campo.

Salto – Com o crescimento, a fatia do ramo cooperativo no volume total de financiamentos liberados ao setor agropecuário saltou de 9%, na safra 2013/14, para 17,2% agora, de acordo com dados do Banco Central.

O incremento médio, segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), foi de 8,8% ao ano em valores deflacionados, enquanto o BB amargou queda de 3,4% ao ano e os bancos privados registraram baixa de 5,3% no intervalo.

Avanço – E o avanço tende a continuar acelerado, sobretudo diante da maior concorrência no segmento estimulada pelo governo. Nesse contexto, o perfil mais simplificado de gestão, com executivos mais próximos dos cooperados e estrutura de gerência menor e menos burocrática, é uma das vantagens competitivas do setor cooperativista, de acordo com especialistas.

Mais leves – “As cooperativas de crédito são muito mais leves que os bancos tradicionais. Conseguiram furar o bloqueio de um grupo muito fechado de bancos e são, hoje, as que mais estão ganhando ‘share’ no crédito rural, crescendo a uma taxa de dois dígitos há um bom tempo”, diz o economista Antônio da Luz, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Atuação – Atualmente, 437 cooperativas de crédito atuam no segmento rural no país. Em cerca de 600 municípios, segundo dados da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), elas atuam praticamente sozinhas, e em boa parte com agências digitais. Márcio Freitas, presidente da entidade, reforça que em muitos casos essa atuação se dá onde não há nenhuma outra agência bancária. “Estamos ocupando espaços que, muitas vezes, os bancos não querem. E é aí que as cooperativas são mais competitivas”, diz.

Leia mais:  Produção de milho em MT deve ser de mais de 30 milhões de toneladas, segundo Conab

Bancos cooperativos – A maioria das cooperativas de crédito sempre emprestou aos produtores rurais por meio dos dois bancos cooperativos em operação no país (Bancoob e Sicredi). Mas há algumas que operam sem esses bancos. São as chamadas “solteiras”, ligadas a cooperativas de produção, como a Credicoamo, que recentemente receberam aval para captar poupança para o crédito agrícola.

Pequenos negócios – “Enquanto alguns bancos deixaram de crescer nos últimos anos, estamos inseridos na atividade econômica dos pequenos municípios, onde o agronegócio é pujante e tem ficado um pouco alheio às crises”, afirmou ao Valor João Tavares, presidente do Banco Cooperativo Sicredi.

Abrangência – Guarda-chuva para 114 cooperativas de crédito como a Credicitrus – líder nas contratações de crédito rural entre as cooperativas financeiras -, o Sicredi tem hoje 1,7 mil agências no país e mantém uma carteira de crédito rural de R$ 22,1 bilhões, ou 40% de toda sua carteira de crédito. Em 2018, o Sicredi cresceu 27,7% na comparação com o ano anterior.

Leia mais:  Doenças podem reduzir mais de 50% a produtividade de lavouras de milho

Outros estados – Com forte atuação na região Sul, o Sicredi, que tem 81,2% de suas agências no meio rural, busca agora avançar em São Paulo, Minas Gerais e no Nordeste, e também em cidades onde é a única instituição financeira. Com boa penetração entre pequenos e médios produtores e “funding” baseado em poupança rural e depósitos à vista, o Sicredi vê um crescimento cada vez maior dos empréstimos com Letras de Crédito do Agronegócio (LCA).

Principal fonte – No Bancoob, as LCA já despontam como principal fonte de recursos, o que comprova que os bancos cooperativos também estão antenados na maior demanda por recursos a juros livres com o patamar baixo da taxa básica de juros (Selic). Oriundo de cooperativas do Sudeste, o Bancoob conta com uma carteira de R$ 15,2 bilhões no crédito agrícola e vem crescendo cerca de 14% ao ano nas últimas seis safras – das 430 cooperativas do sistema Sicoob, 80% operam com crédito rural.

Experiência maior – “Nossa atuação no crédito rural, que era nada há 20 anos, fez empurrar o ‘share’ do BB para baixo. E estamos na frente dos privados, porque adquirimos uma experiência maior operando sistematicamente nesse setor em escala nacional há 22 anos”, afirma Marco Aurélio Almada, presidente do Bancoob.

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

JBS abre mais de 80 vagas em quatro municípios de Mato Grosso

Publicado

A JBS anunciou a abertura de 81 vagas de trabalho no estado de Mato Grosso, para as unidades de Alta Floresta, Araputanga, Barra do Garças e Confresa. Além de oportunidades para atuar nas linhas de produção, em funções que não exigem experiência, também há vagas para eletricista industrial e supervisor de produção. Pessoas com necessidades especiais também podem participar das seleções.

Confira as oportunidades disponíveis em cada região e como fazer para se candidatar:

Alta Floresta

1.    Supervisor de Produção (abate e desossa): Necessário ter Ensino Médio completo e experiência comprovada em Carteira de Trabalho em empresas do setor. Há 2 vagas disponíveis para a função.

2.    Operador de produção: Não é necessário ter experiência na área para se candidatar. Ao todo, são 17 vagas disponíveis.

3.    Vagas para pessoas com deficiência: a unidade disponibiliza 10 vagas para diversas atuar em funções.

Triagem: Preenchimento de cadastro até o dia 29/11, das 6h às 15h, na unidade. Endereço: Rodovia MT 208, KM 150, s/nº, Zona Rural, Alta Floresta (MT). Mais informações: (66) 3512-7529 / 3512-7515 e pelo e-mail vanessa.peraro@friboi.com.br.

Leia mais:  Aplicativo da Embrapa promete facilitar acesso aos dados do Zoneamento Agrícola de Risco Climático

Araputanga

1.    Operador de produção: Não é necessário ter experiência na área para se candidatar. Ao todo, são 20 vagas disponíveis, e pessoas com deficiência podem se candidatar.

Triagem: Preenchimento de cadastro no Centro de Referência da Assistência Social – CRAS, de segunda a sexta-feira, em horário comercial. Endereço: Rua Horácio Alcântara de Carvalho, 798, Centro, Araputanga (MT). Mais informações: (65) 3211-2031. Quem mora em São José dos Quatro Marcos e tem interesse em participar da seleção deve enviar currículo para o e-mail:  recrutamento.ara@friboi.com.br.

Barra do Garças (JBS Couros)

1.    Ajudante de produção: Não é necessário ter experiência na área para se candidatar, mas é preciso ter disponibilidade de horário. Ao todo, são 7 vagas disponíveis.

Triagem: Preenchimento de cadastro de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h, na unidade da JBS Couros em Barra do Garças (endereço: BR 070, KM 12,5, Zona Rural, Barra do Garças), ou no SINE, em horário comercial (Endereço: Travessa Voluntários da Pátria – Centro). Mais informações: (66) 3402-3400.

Leia mais:  Gergelim se torna uma boa opção para segunda safra em MT

Barra do Garças (Friboi)

1.    Faqueiro e serrador de abate: Os candidatos devem ter experiência na função que desejarem se candidatar. Ao todo, são 3 vagas disponíveis.

Triagem: Envio de currículo para o e-mail raiane.porto@friboi.com.br. Mais informações: (66) 3402-2968.

Confresa

1.    Eletricista industrial: Para se candidatar, os interessados devem ter curso de eletricista industrial de no mínimo 200 horas; curso de NR 10 ( segurança em instalações e serviços em eletricidade); e CEP (curso de formação de eletricista de instalações industriais). Também é necessário ter Ensino Médio completo, experiência na função e disponibilidade para residir em Confresa.

Triagem: Inscrições até o dia 29/11, por meio do site vagas.com.br, ou envio de currículo para o e-mail cleiton.oliveira@friboi.com.br ou jacelia.costa@friboi.com.br.

2.    Operador de produção: Não é necessário ter experiência na área para se candidatar. Ao todo, são 30 vagas disponíveis e pessoas com deficiência podem se candidatar.

Triagem: Retirada de fichas para preenchimento no SINE, às segundas e sextas-feiras, em horário comercial. Endereço: Rua Mato Grosso, 95, Centro, Confresa (MT). Mais informações: (66) 3564-232.

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Agricultura de Precisão: Novas soluções para cadeia do algodão em MT

Publicado

“Aqui é o local para você alinhar e encontrar as soluções para os nossos desafios”. Essas foram as palavras iniciais do presidente da Associação Mato-Grossense do Algodão (AMPA) e do Instituto Mato-Grossense do Algodão, Alexandre Pedro Schenkel, na visita à Embrapa Instrumentação, em São Carlos (SP), para conhecer os resultados da parceria em Agricultura de Precisão.

Schenkel, agricultor em Campo Verde, e que também exerce os cargos de vice-presidente do Conselho Administrativo da Abrapa – Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, presidente do IAS – Instituto Algodão Social e presidente do Conselho de Administração do IPA – Instituto Pensar Agro, destacou que os produtores do estado se identificam muito com as novas tecnologias, que têm um perfil mais desruptivo e gostam de inovações.

Com uma produção anual de 1,7 milhão de toneladas em uma área de 1,1 milhão de hectares, Mato Grosso produz dois terços do algodão brasileiro, a maior parte para exportação – até o início da década de 90 o Brasil era importador. “A conexão entre o conhecimento produzido em nossos laboratórios com a prática dos produtores do Centro-Oeste está resultando em metodologias e recomendações para tornar o setor ainda mais competitivo, é uma parceria estratégica para ambos”, disse o chefe-geral da Embrapa Instrumentação, João Naime.

Leia mais:  Plano safra sai até o próximo dia 12 e ministra diz que será parecido com anterior

No Laboratório de Referência Nacional em Agricultura de Precisão (Lanapre), ele conheceu os detalhes das pesquisas que envolvem fazendas em Sapezal – dos grupos Scheffer e Amaggi – e Rondonópolis – das Sementres Petrovina. O pesquisador Ricardo Inamasu, líder da Rede de Agricultura de Precisão, falou sobre o resultado obtido com as metodologias de uso de sensoriamento proximal e aéreo para identificar a variabilidade na área e administrar os fatores limitantes de produção.

 

NA TERRA E NO AR

Os resultados do projeto de Agricultura de Precisão liderado pela Embrapa envolvem ainda a obtenção de parâmetros agronômicos por experimentação on-farm para subsidiar a aplicação de sementes e fertilizantes à taxa variável, além do mapeamento de áreas com sintomas de ocorrência de ataques de fitonematoides e sua correlação com atributos do solo e a produtividade do algodoeiro.

Os experimentos, que começaram há dois anos (em algumas áreas há menos tempo), incluem também protocolos de amostragem de solos (tema discutido em workshop da Rede AP), sensoriamento remoto, imagens aéreas, mapas de teores de matéria orgânica dos solos, e condutividade elétrica aparente dos solos para delineamento de unidades de gestão diferenciada (UGD) em áreas de produção, que foram explicados em detalhes pelos pesquisadores Carlos Vaz e Lúcio Jorge, da Embrapa Instrumentação e pelo analista Eduardo Speranza, da Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP).

Leia mais:  Doenças podem reduzir mais de 50% a produtividade de lavouras de milho

A parceria contempla também, entre os resultados, a análise semiautomática de dados georreferenciados para extração de conhecimento e o auxílio à tomada de decisão em questões relacionadas à gestão da lavoura. “O algodão tem uma característica de utilizar muita tecnologia em praticamente todos os seus processos”, lembrou o presidente da AMPA e do IMAmt, destacando que o uso de drone, por exemplo, pode auxiliar no monitoramento de pragas na lavoura.

A discussão sobre outras tecnologias com potencial para utilização na cotonicultura incluiu uma visita aos laboratórios de Óptica e Fotônica, Ressonância Magnética Nuclear e ao Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio (LNNA), onde pesquisadores e empresas parceiras apresentaram soluções já no mercado ou em desenvolvimento que são aplicadas em outras cadeias produtivas.

“O que a gente viu aqui brilha aos olhos, a inovação que nós precisamos no nosso campo, acompanhando a evolução e a eficiência que temos nas nossas lavouras, nas nossas propriedades. Com certeza, isso é uma referência na nossa tecnologia brasileira”, declarou Alexandre Schenkel, ao final do encontro.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana