conecte-se conosco


Nacional

Delegado: erro da polícia adiou inclusão de condomínio de Bolsonaro

Publicado

O delegado Giniton Lages reconheceu em depoimento à Justiça que a investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes teve falhas que atrasaram a identificação dos acusados do crime.

Os erros ocorreram na coleta e análise de imagens a fim de identificar o trajeto feito pelo Cobalt usado pelos assassinos.

Isso impediu, inclusive, que a polícia pudesse determinar se o veículo saiu ou não do condomínio Vivendas da Barra, onde morava o policial militar aposentado Ronnie Lessa, acusado de ser o executor do crime.

No local também vivia, à época, o presidente Jair Bolsonaro, antes de se mudar para o Palácio da Alvorada.

O presidente foi mencionado no caso apenas no mês passado, quando um porteiro do condomínio afirmou que Bolsonaro autorizou a entrada do ex-policial militar Élcio de Queiroz (acusado de ser o motorista do carro usado no homicídio) no Vivendas da Barra no dia do crime, 14 de março de 2018.

O então deputado, contudo, estava em Brasília na hora em que o ex-PM acessou o condomínio. Perícia do Ministério Público do Rio de Janeiro em gravação da portaria apontou ainda que quem autorizou a entrada foi Lessa.

A pedido do Ministério Público Federal, a Polícia Federal abriu inquérito para apurar possíveis delitos de obstrução de Justiça, falso testemunho e denunciação caluniosa pelo porteiro contra Bolsonaro.

Responsável pela apuração do caso até março deste ano, o delegado Giniton Lages falou ao juiz Gustavo Kalil em 2 de agosto na ação penal contra Lessa e Queiroz. O depoimento estava sob segredo de Justiça até a semana passada.

O erro, segundo ele, ocorreu dias após o crime, quando agentes foram à Barra da Tijuca coletar imagens de segurança de prédios do bairro.

A polícia já sabia que o Cobalt havia passado pelo bairro do Itanhangá (início da Barra) e atravessado o Alto da Boa Vista até a Câmara Municipal, quando passaram a seguir os passos da vereadora. Essa informação tinha como base um sistema da Prefeitura do Rio de Janeiro conhecido como OCR, que identifica as placas dos carros que passaram pelas câmeras do município.

Lages escalou uma equipe para coletar as imagens e tentar flagrar nelas a passagem do veículo antes do ponto já conhecido. O grupo recolheu arquivos do Itanhangá até a região do quebra-mar (início da orla da Barra), mas não encontrou o Cobalt.

“[A rota que os criminosos percorreram antes do Itanhangá] Era uma incógnita até setembro, outubro de 2018. Até que entra uma informação que resolvia a equação. O carro saiu do quebra-mar”, disse ele no depoimento.

Sete meses após o crime, os policiais voltaram a analisar as imagens recolhidas anteriormente e notaram que usaram um programa incompatível com o arquivo do vídeo, o que reduziu sua resolução. Ao usar a ferramenta correta, foi possível identificar a passagem do Cobalt utilizado no crime.

“A equipe cometeu o maior pecado de uma investigação, que foi chegar até o quebra-mar e não seguir para trás. Acreditou demais em sua própria ‘expertise’. Quando levaram a imagem para análise, tinham que ter a certeza que o carro não passou. Eles não perceberam um defeito de Codec [programas utilizados para codificar e decodificar arquivos de mídia] naquela imagem”, declarou o delegado.

“Com a segurança que nenhum policial pode ter numa atividade como essa, eles olharam as imagens, [mas] não são especialistas. Tinham que pedir a um especialista para olhar com outros olhos. [O especialista] Teria visto o carro em março [de 2018]. E aí toda a energia iria para a praia. E muito provavelmente pegaríamos eles entrando no carro, o carro parado há mais tempo. Teríamos outras informações que não temos hoje”, afirmou ele.

Lages disse que determinou aos agentes para que buscassem imagens de prédios da orla a fim de tentar localizar o veículo. “Mas o que aconteceu? O óbvio: não tinham mais imagens. O fato é que o carro vinha da praia”, disse ele.

De acordo com o Ministério Público, Élcio entrou às 17h07 no condomínio, na orla. A câmera no quebra-mar identificou a passagem do Cobalt às 17h24. O trajeto entre o Vivendas da Barra e o ponto da primeira visualização do veículo é de cerca de sete minutos.

O delegado deixou claro que o objetivo da busca era descobrir se o veículo usado no crime saiu diretamente do condomínio de Lessa ou se eles embarcaram nele em outro local.

“Minha esperança é que tivéssemos uma OCR [câmera de identificação de placas] na [avenida] Sernambetiba. Mas não consegui pegar esse carro na Sernambetiba. Uma OCR me indicaria se ele estava na frente da casa do Lessa, antes da casa do Lessa, depois da casa do Lessa, se não estava”, afirmou ao juiz.

A Folha de S.Paulo revelou nesta terça-feira (5) que a polícia tinha há um ano as planilhas manuscritas de controle de acesso do condomínio Vivendas da Barra, que apontavam a entrada de Élcio tendo como destino a casa 58, de Bolsonaro.

O relatório da polícia sobre os documentos, contudo, se resumiu a expor as entradas com destino à casa 65/66, de Ronnie Lessa.

A menção à casa 58 só se tornou objeto de apuração após o Ministério Público conseguir acessar dados do celular de Lessa e encontrar uma foto da planilha, enviada a ele por sua esposa, indicando a entrada de Élcio. Foi quando apreenderam novamente as planilhas e chamaram o porteiro para depor.

 

O caso foi enviado ao STF (Supremo Tribunal Federal) em razão da menção ao nome do presidente. Mas a gravação indicando a autorização de Ronnie Lessa, e não de Bolsonaro, levou a Justiça a autorizar o prosseguimento da investigação no Rio de Janeiro.

Lages também criticou, no inquérito, as empresas de telefonia brasileiras, que disseram não ser possível rastrear os celulares dos autores pelos IPs (espécie de RG do telefone) que passaram por aquela rota naquele dia, já que os sistemas que existem hoje no país não têm GPS agregado.

O delegado comentou ainda as críticas a eventuais falhas na investigação. “É fácil falar. Difícil é fazer. Se arvorar de falar o que nunca viveu é mole. É o efeito CSI. O cara assiste uma série de TV americana e acha que a vida real é a mesma coisa”, afirmou no depoimento.

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Mulher sem mãos teve benefício negado pelo INSS por não poder assinar o papel

Publicado

por

Trabalhadora não consegue benefício do INSS em Rondônia
A ex-sinaleira Cleomar Marques, que teve as mãos e as pernas amputadas, fez um pedido de benefício ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em Porto Velho, Rondônia, mas ele foi negado porque ela não conseguiu assinar os documentos que autorizavam o auxílio.

“Uma servidora puxou os papéis e perguntou: ‘ quem vai assinar? Você assina? ‘. Eu disse que não podia assinar, mas sim a minha filha ou minha mãe. A mulher então olhou e disse: ‘ah, então não vale’. Daí ela pegou, rasurou o papel e jogou fora”, contou Cleomar para a reportagem do Jornal de Rondônia 1ª Edição, da rede Amazônica, afiliada da Globo.

Cleomar relata que após a primeira negativa fez mais dois pedidos ao INSS em 2019 e todos foram negados. Para a reportagem, a trabalhadora diz que precisa do benefício, pois a filha fica em casa para ajudá-la na alimentação e banho.

O segundo requerimento foi negado por ela ter uma renda per capta familiar superior a 1/4 do salário mínimo, ou seja, uma média de R$ 238,50. As informações são do portal G1 de Rondônia.

Veja Também Marido que espancou esposa até quebrar o nariz continua foragido
À Rede Amazônica, o INSS informou que a renda foi apurada com as informações do Cadastro Único (CadÚnico) para programas sociais do governo. Em um terceiro requerimento, a ex-sinaleira teve a solicitação de benefício indeferida porque o INSS alegou ” falta do período de carência” .

“Olha, é um constrangimento para mim tudo isso. Eu trabalhava, tinha minha vida e agora sou dependente dos outros. É a minha filha, única que mora comigo, que faz tudo para mim”, desabafou Cleomar para a reportagem.

Amputação dos membros
Cleomar era sinaleira em Porto Velho e iniciou um tratamento para problemas gástricos. Inicialmente o médicos desconfiaram de gastrite, depois de infecção por Helicobacter pylori , uma bactéria que aparece na mucosa do estômago, e na sequência diagnosticaram que o problema era na vesícula.

Com fortes dores, Cleomar acabou internada no pronto socorro do Hospital João Paulo II e os médicos decidiram operá-la. Após a cirurgia, ela entrou em coma, teve infecção generalizada e os membros começaram a necrosar. A ex-sinaleira só percebeu que não tinha mais os membros inferiores e superiores quando acordou da cirurgia.

“Quando eu acordei eu já estava assim [amputada]. Abriram tudo em mim, mas eu não vi nada. Só lembro de entrar na sala de cirurgia “, relatou a trabalhadora.

O que diz o INSS?
A assessoria de comunicação do INSS informou à rede Amazônica que foi solicitado um auxílio-doença para Cleomar e que este não foi aprovado por falta de período de carência, no ano passado.

Depois, um novo benefício foi solicitado, também sendo indeferido por apresentar renda per capita familiar superior a 1/4 do salário mínimo.

O INSS informou à reportagem ainda que a filha de Cleomar foi pessoalmente atendida e informada que um novo requerimento poderia ser feito caso ocorresse alteração da renda familiar junto ao Cadúnico.

Ainda segundo o instituto, Cleomar agora pode procurar o INSS, pois poderá solicitar o requerimento de um novo benefício.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Globo edita matéria do ‘JH’ após aluna escrever ‘Fora Bolsonaro’

Publicado

por

Uma aluna fez uma pegadinha com a reportagem do “Jornal Hoje” (Globo) na edição desta terça-feira (14). Durante entrevista com alunos que aprendiam coreano por conta da popularização do estilo musical k-pop, uma delas escreveu “fora, Bolsonaro” em coreano em uma lousa.

De acordo com uma professora de coreano ouvida pela reportagem, da Instituição Multicultural & Idiomas, de fato está escrito “fora, Bolsonaro” na lousa. Porém, trata-se de uma transliteração, que seria uma espécie de tradução ao pé da letra. Um coreano talvez não entendesse a expressão, mas as letras correspondem ao que ela quis dizer.

O caso repercutiu na internet e muita gente achou graça da iniciativa da menina. “Olha a carinha dela”, riu um seguidor. “Eu amo o brasileiro e o coreano”, disse outro internauta.
Procurada, a escola C.E. Olga Benario Prestes, onde tudo aconteceu, não foi localizada até a publicação deste texto.

Também procurada, a Globo disse que a reportagem para internet foi editada. “O Jornal Hoje lamenta ter sido vítima da brincadeira de uma aluna. Na versão na internet, a matéria será republicada sem essa parte, com um anúncio de que foi editada por conta do equívoco”, disse, em nota.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana