conecte-se conosco


Agronegócio

Desmatamento teve redução de 87,4% nos últimos 15 anos em Mato Grosso

Publicado

destaca por sua produção agropecuária e dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) apontam ser uma produção sustentável e que preserva o meio ambiente. O Grupo de Inteligência Territorial da Embrapa realizou a extração de dados do Sistema do Cadastro Ambiental Rural (Sicar) de 2018 para analisar as áreas destinadas à preservação das propriedades rurais.

 

Após o tratamento destes dados, pode-se perceber que as propriedades rurais de Mato Grosso possuíam uma área de 68.990.299 hectares, o que representa 76,4% da área estadual.

 

“Por estes dados, podemos observar que, dos principais Estados brasileiros produtores de grãos, Mato Grosso é o que possui a maior área de preservação da vegetação nativa dentro das propriedades rurais”, explica Sérgio Leal, coordenador do Observatório do Agronegócio, grupo da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec) que trabalha com informações do agronegócio.

 

Mais de 35,4 milhões de hectares são áreas preservadas dentro das propriedades rurais, um percentual de 39,2% do total do território de Mato Grosso. Áreas protegidas em terras indígenas e unidades de conservação somam 17 milhões de hectares e representam 18,9% do que está preservado – ou seja, a área preservada nas propriedades rurais é 108,2% maior que nas unidades de conservação e terras indígenas somadas.

Leia mais:  Saca de milho tem preço melhor e Mato Grosso lidera colheita de milho

 

Em relação ao desmatamento, os dados da Embrapa mostram que houve um decréscimo vertiginoso nas últimas duas décadas. Na Amazônia Legal, em 2004 eram 27 mil km² desmatados e, em 2018, eram 7,5 mil km². Em Mato Grosso, em 2004 eram 11,8 mil km² desmatados e, no ano passado, era 1,4 mil km².

 

A produção agrícola em Mato Grosso vem se tornando cada vez mais eficiente, não havendo necessidade de abertura de novas áreas. Os dados comprovam isto: em 2004, a área plantada de grãos era de 7,6 milhões de hectares e o desmatamento foi de 1,18 milhão de hectares. Já em 2018, a área colhida aumentou em 98,4%, indo para 15,1 milhões de hectares e o desmatamento despencou para 149 mil hectares – redução de 87,4% no desmatamento no estado.

 

O secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, César Miranda, ressalta que Mato Grosso é um exemplo de produção com sustentabilidade e um exemplo para o País e o mundo.

Leia mais:  Abate de gado em Mato Grosso aumenta 8,7%, aponta instituto

 

“Há muitos anos estamos construindo uma agricultura sustentável. Tanto o pecuarista como o agricultor são hoje grandes preservadores do meio ambiente por questões comerciais e por consciência ambiental. Eles sabem que é da terra que tiram seu sustento. E o Governo do Estado tem políticas ambientais sérias e rígidas, com controles severos e não vai permitir que se cometam ilegalidades”, afirma.

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Professor contesta aquecimento global e diz que ação do homem não influencia temperatura do planeta

Publicado

O professor doutor em Geografia Física – área de climatologia antártica, Ricardo Felício, que esteve em Mato Grosso na última semana, afirma que a ação do homem no planeta terra não influencia a temperatura e que aquecimento global é um mito propagado por países ricos na tentativa de atrasar o desenvolvimento de países emergentes como o Brasil. Ele explicou que, historicamente, as temperaturas do planeta sempre oscilaram, que a própria ideia de clima é variabilidade e que existe diferença entre o clima planetário e os microclimas que sentimos nos ambientes urbanos.

Ricardo Felício tem um currículo acadêmico de peso. Ele é bacharel cientista em Meteorologia pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em meteorologia antártica pelo INPE, doutor em Geografia Física, área de climatologia antártica pela USP. Ele afirmou que o clima sempre muda e que o planeta já passou por um período relativamente mais frio no passado recente, sendo este período utilizado como referência pelo Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) da Organização das Nações Unidas (ONU) para defender o aquecimento global.

O professor disse que neste período houve uma menor atividade solar, mas que ela foi aumentando até o ano de 1957, aproximadamente. Depois disso, ele explicou, a atividade do sol diminuiu novamente, fazendo com que as temperaturas caíssem.

“Isto faz parte do ciclo natural do planeta terra, atribuir este fenômeno à atividade humana é disparate, porque não tem isso registrado na história do planeta, sempre são ciclos naturais em que você tem aumento e diminuição de temperaturas, mexe no ciclo hidrológico e nada disso tem interferência do ser humano. O ser humano sofre as ações do clima e tem que sempre se adaptar, tanto os métodos produtivos quanto a sua sobrevivência”, disse.

Felício também rebateu a teoria de que a atmosfera da terra trabalha como uma “estufa”. Ele defende que, na verdade, a atmosfera da terra é um grande “amortecedor”, que não deixa que o planeta resfrie absurdamente e nem esquente absurdamente.

“A atmosfera é radiativa na estratosfera, onde se forma ozônio, onde tem outros processos, mas próximo à superfície, onde tem a troposfera, o processo é convectivo, ou seja, a troposfera trabalha do quente que está embaixo para o frio que está em cima, então é uma impossibilidade física que um fluido frio esquente uma superfície quente, é física básica, então não dá para admitir que a atmosfera trabalha como uma estufa”, disse.

Leia mais:  Dalcin é reeleito no Instituto Soja Livre em Mato Grosso e quer soja convencional no mercado externo

Ricardo garante que a ação humana não provoca qualquer influência nas alterações de temperaturas do planeta.  Ele afirma que o aumento de CO2 na atmosfera, liberados pelo homem, não é maior do que o que já é liberado naturalmente, portanto não causa qualquer impacto.

“O que a gente observa, não só no agronegócio, mas em qualquer atividade humana, a relação escalar do homem com o meio ambiente é muito pequena, então se tem algum problema ambiental é de micro escala, que a gente usa a tecnologia para resolver. Falar que emitir CO2 muda a composição química da atmosfera, isso é mito, completo, porque todos os gases da atmosfera trabalham de forma convectiva, e as maiores fontes de CO2 que nós temos na natureza são de forma natural, os oceanos, vulcões. Então não tem como a gente falar que a ação humana muda a composição química da atmosfera, porque a física que está envolvendo isso não se sustenta”.

O doutor acredita que o argumento do aquecimento global é propagado por interesses geopolíticos. Ele diz que países ricos tem interesse em atrasar o desenvolvimento de países emergentes como o Brasil e por isso tentam impor esta visão.

“Sociedades emergentes, que são os países subdesenvolvidos, cada vez têm mais dificuldades em se desenvolver, porque são colocados sempre estes entraves em cima dos métodos produtivos. Por exemplo, estão lá falando que vão taxar o G20, vocês acham que o pessoal dos países ricos vão fazer isso? Não vão, a exemplo está aí a Alemanha, encerrando as usinas nucleares, tendo altas dificuldades em gerar energia com eólicas e está queimando carvão, que solta enxofre na atmosfera, isso sim é tóxico. A França, por exemplo, tem 77% de sua matriz energética nuclear, e os reatores nucleares franceses estão dando muitos problemas, então no final das contas eles vão voltar a queimar carvão”.

Ele cita que até mesmo líderes que se posicionam contra as teorias do aquecimento global, como nos Estados Unidos e Rússia, não querem que o Brasil saia dos acordos ambientais internacionais, como o acordo de Paris, que rege medidas de redução de emissão de gases estufa.

Leia mais:  Saca de milho tem preço melhor e Mato Grosso lidera colheita de milho

“Por exemplo, Putin e Trump são dois grandes estadistas nos seus países, eles falam categoricamente que aquecimento global é fraude, eles não concordam com o acordo de Paris, mas nenhum deles apóia que o Brasil saia, então isso é evidente, eles falam isso porque eles fazem nos países deles, mas nenhum deles defende que o Brasil saia, porque eles têm interesse em cima da gente, como a China também tem interesse. China e índia inclusive também não defendem esta hipótese e adiam todos os protocolos o máximo que podem, o Brasil aceita todos”.

O professor não nega que existam alterações climáticas, porém afirma que nenhuma delas tem relação com a ação do homem no planeta. Ele diz ainda que até mesmo desmatamento e expansão de cidades não provocam qualquer alteração na temperatura do planeta como um todo.
“Amazônia representa 1% da superfície do planeta terra, então você não está queimando e destruindo a Amazônia inteira, então não é nem 1% total, isso não influenciaria a temperatura, então a gente tem que tomar muito cuidado com estas relações escalares. Por exemplo, cidades mudam o clima da terra? Ridículo isso, porque as cidades do planeta representam 0,05% da superfície. A maior parte da população, nos últimos 20 anos, está nas cidades, aí você tem esta sensação de microclima urbano e acha que isto está no planeta, mas não está, tem que tomar cuidado para diferenciar o que é microclima e clima planetário”.

Felício também afirma que não é contra a preservação do meio ambiente, apenas defende que a temperatura do planeta não é influenciada pela ação do homem. Ele diz que a sociedade deveria focar em problemas ambientais reais, como a poluição de fontes hídricas.

“Tem que descolar o discurso, uma coisa é falar de aquecimento global, que o homem está mudando o clima, e outra coisa são os cuidados que nós temos que ter com o meio ambiente, por exemplo, algo que ninguém fala é saneamento básico, que o Brasil ainda carece absurdamente, e 90% dos nossos problemas ambientais estão relacionados a saneamento básico”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Com aumento de 200% em pedidos de geração solar, Energisa busca mapear melhorias no atendimento

Publicado

A Concessionária Energisa Mato Grosso registrou um aumento de 200% nos pedidos de análise de projetos para a inclusão da geração solar na rede de distribuição no Estado. Desde janeiro, a empresa recebeu 400 projetos, com crescimento constante.  Em setembro este número passou para 1204.

A possibilidade de gerar energia elétrica em casa e no comércio, por meio das novas tecnologias disponíveis, tem movimentado o mercado de geração distribuída no estado. Mato Grosso ocupa o quarto lugar no ranking entre os Estados com maior potência instalada em geração solar distribuída.

Por conta da crescente demanda a Energisa convidou representantes de 12 empresas do segmento e do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea-MT), para um compartilhamento de informações entre os envolvidas para estabelecer um alinhamento no processo de geração distribuída.

“Nessa reunião tentamos desmistificar a fala de que a Energisa é contrária a energia solar. Pelo contrário, procuramos as entidades para entender melhor seus anseios e demandas. A viabilização dos projetos de geração e de forma eficiente é benéfica a todos pois o objetivo comum a isso tudo é a satisfação do cliente que deseja ter essa tecnologia instalada” e que contribui para termos uma geração de energia elétrica sustentável e de menor custo”, afirma o diretor presidente da Energisa Mato Grosso, Riberto José Barbanera.

Leia mais:  Abate de gado em Mato Grosso aumenta 8,7%, aponta instituto

Foram abordados no encontro o fluxo e critérios de aprovação dos projetos dentro da Energisa Mato Grosso, a realidade do setor no estado e, por parte das empresas clientes, as dificuldades que têm encontrado. “Nosso ponto principal foi criar uma aproximação com as empresas para poder ouvir mais o que elas passam e assim, aperfeiçoar o nosso atendimento”, aponta o coordenador de Projeto da Energisa Mato Grosso, Marcelo Pazoti.

Pazoti ressalta que devido o crescimento de projetos de energia solar apresentados a Energisa está se adequando a grande demanda. “Para se ter uma ideia em 2018 foram 180 projetos apresentados, em 2019 o número até agora é de 1204. Um crescimento de 668% de um ano para outro. Nossa equipe inclusive passou de duas pessoas em 2017 para nove neste ano. Tudo para atender melhor nosso cliente. Aproveitamos a oportunidade  também para apresentamos os critérios de aprovação dos projetos e tentar diminuir cerca de 300 ligações e atendimentos presenciais que realizamos por mês devido a falta de entendimento da norma”, avalia Marcelo.

Leia mais:  Saca de milho tem preço melhor e Mato Grosso lidera colheita de milho

O encontro aconteceu na sede da Energisa, no dia 4 de outubro, no bairro Bandeirantes, em Cuiabá. Estiveram presentes empresas de todo o Estado. Pela Energisa, participaram a diretoria e os gestores das áreas que tratam diretamente do tema.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana