conecte-se conosco


Economia

“É muito cedo para fazer uma avaliação. A reforma entrou em vigor hoje”, diz sindicato sobre reajuste de combustíveis

Publicado

Com a nova reforma tributária em vigor desde quarta-feira (1º) no estado, o diretor-executivo do Sindicato do Comércio Varejista de Derivado de Petróleo (SindiPetróleo), Nelson Soares Júnior, afirmou que ainda é cedo para fazer uma avalição de como será o cenário para o setor de combustíveis.

A reforma tributária foi apresentada pelo governo estadual no último ano e aprovada na Assembleia Legislativa. A Lei Complementar 53/2019 trata da reinstituição dos incentivos fiscais e das alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) em vários setores econômicos, como construção civil e de medicamentos, além de combustíveis e supermercados.

Nesta quinta-feira (2), uma faixa em frente a um dos postos de combustíveis do Grupo Aldo avisa a suspensão da venda de etanol em decorrência à reforma tributária. “Não temos etanol. Governo do Estado de Mato Grosso inviabilizou a venda”, diz a mensagem colada no posto localizado na BR-364, saída para o município de Rondonópolis.

O diretor do SindiPetróleo comentou que o sindicato se pronunciará nos próximos 15 dias ou mais, pois é necessário uma avaliação exata do reajuste. “Vamos aguardar nos próximos dias para saber como será o cenário para o setor de combustível. Ainda é muito cedo para fazer uma avaliação, visto que a reforma entrou em vigor hoje. Conversamos muito com o governo sobre esse reajuste e ainda não temos um posicionamento exato de como afetará daqui para frente”, disse ao site HNT/Hipernotícias.

Leia mais:  Lojistas projetam aumento de até 80% no preço dos calçados em MT

“O grupo nos comunicou hoje de manhã sobre a suspensão da venda do etanol. Vale ressaltar que é uma medida unilateral do posto, não tem nada com o sindicato. A justificativa que eles nos passaram é em função da reforma tributária que não valeria a pena ser comercializado mais o etanol”, ressaltou.

‘Fake News’

Na última semana, circulava em grupos de WhatsApp, que o litro do etanol em Mato Grosso teria um reajuste de até R$ 0,33 no início de 2020. A publicação traz ainda que os postos de combustíveis do Grupo Aldo suspenderiam o abastamento do etanol, no entanto, por meio de nota, o grupo desmentiu o teor da publicação.

“O Grupo Aldo não autorizou nenhum comunicado, por isso não reconhecemos o mesmo. Sobre o assunto da LC 631/2019 o Grupo Aldo irá se pronunciar após o dia 01/01/2020, quando as companhias atualizarem os preços”, disse. Mas até o momento, nenhuma informação foi confirmada sobre a suspenção da venda.

Governo rebate

Após repercussão da publicação, a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) emitiu nota informando que o reajuste não seria de R$ 0,33 e sim de R$ 0,5. A Sefaz ressaltou um aumento de no máximo 4%, aplicado no preço do produto.

Leia mais:  Comércio espera Dia dos Namorados mais 'quente' este ano

No caso do etanol hidratado, por exemplo, a carga tributária foi alterada de 10,5% para 12,5% (ainda uma das menores do país), sendo que a projeção pode haver um aumento no máximo de 2%, o que equivale a 5 centavos por litro, no preço final aos consumidores, e não de 33 centavos, como tem sido veiculado.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Aumento no preço do etanol não tem relação com nova lei sobre incentivos fiscais

Publicado

O aumento no preço de venda do litro do etanol em Mato Grosso, colocado em prática pelos postos de combustíveis, nada tem a ver com a entrada em vigor, a partir da 1º de janeiro deste ano da Lei Complementar 631/19, que reduziu os incentivos fiscais no Estado.

Pesquisas feitas pela Agência Nacional de Petróleo-ANP apontam que, em dezembro de 2019, o preço médio do etanol praticado em Mato Grosso estava em R$ 2,91. Atualmente, o combustível está sendo comercializado em alguns postos por até R$ 3,20.

De acordo com dados da Secretaria de Fazenda, com a LC 631/19, a alíquota do ICMS passou de 10,50 para 12,50%, ou seja, um acréscimo de 2,5%.

Dessa forma, se o etanol era vendido a R$ 2,91, no mês passado, com a nova porcentagem, deveria ter um acréscimo máximo em torno de, R$ 0,06, custando em torno de R$ 2,97.

Vale destacar que alíquota do ICMS para o etanol é de 25%. Porém, para garantir que o produto de Mato Grosso possa concorrer com outros mercados, o governo fornece um incentivo de 50%, fixando a alíquota em 12,5%.

Leia mais:  Lojistas projetam aumento de até 80% no preço dos calçados em MT

Sobre essa questão, o secretário de Fazenda, Rogério Gallo, reforçou que o reajuste nos preços do etanol não possui relação com a entrada em vigor da Lei complementar 631/19.

“No dia 31 de dezembro com as mudanças nas regras do ICMS, até hoje, 23 de janeiro, o impacto seria de R$ 0,06 na bomba.

Contudo, os postos estão aplicando 20 centavos, acima efetivamente do que está proposto na nova alíquota. Ou seja, temos visto aí na bomba, o etanol sendo cobrado a R$ 3,17. Mas é preciso entender que esta elevação, de R$ 2,91 para R$ 3,17, aplicadas aos preços, são regras de mercado e não tem como o governo discutir, pois isto é livre concorrência. Neste caso, é o consumidor que deve buscar outra alternativa, como forma de pressão”, explicou Rogério Gallo, em entrevista ao programa Chamada Geral, na Rádio Mega FM.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Preço do litro do etanol chega a R$ 3,19 em postos de Cuiabá

Publicado

Mais uma vez o preço do etanol subiu em alguns postos de combustíveis de Cuiabá, deixando os clientes revoltados.

O litro do combustível saltou de R$ 3,07, na semana passada, para R$ 3,19 nessa segunda-feira (20). Isso representa um aumento de quase 4% no litro do etanol nos postos Shell. Nos postos Emboava, o litro sai a R$ 3,17. Há duas semanas, o litro do etanol era de R$ 2,87.

Segundo o diretor executivo do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis de Mato Grosso (Sindipetróleo), Nelson Soares Júnior, a revisão nos incentivos fiscais do etanol, aprovada pela Assembleia Legislativa, não influenciou a elevação de preços desta semana.

“O etanol, em Mato Grosso, tem 50% de desconto no imposto. Você tem aumento no ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços] de dezembro para janeiro de 2% no imposto do etanol, que era 10,5% e passou para 12,5%”, disse.

A lei encaminhada pelo governador Mauro Mendes (DEM) entrou em vigor no dia 1º de janeiro e revisa os incentivos fiscais no Estado.

Leia mais:  Comércio espera Dia dos Namorados mais 'quente' este ano

Ainda conforme o diretor, o aumento no preço já vem das indústrias e distribuidoras, mas ele não soube explicar o motivo disso.

Nos postos Emboava, o litro do etanol está sendo vendido a R$ 3,17

“O preço está aumentando na indústria e na distribuidora. Muito mais impactante é a distribuição para os postos. Você pega a nota fiscal de compra e é muito maior do que a soma dos fatores”, afirmou.

Para Nelson, a elevação do preço do etanol afeta tanto o bolso do consumidor quanto do proprietário do posto. Segundo o sindicalista, sem o aumento do salário acompanhando o dos preços, o poder de compra cai.

“Tem aumento de preço, mas não tem aumento de salário. O consumo vai cair como em qualquer outro produto”, explicou Soares.

Além, disso, é o empresário que acaba lidando com a revolta dos clientes após o aumento dos preços. De acordo com Nelson, o proprietário do posto de combustível sai como responsável pelo aumento.

“É horrível porque quem faz o contato com o consumidor é o posto. O consumidor vê o preço subindo e acha que é o posto, mas não é. E eles [proprietários] passam a vender menos também. Quanto maior o preço, menos vendem”, revelou.

Leia mais:  40% da população adulta está com dívidas atrasadas, aponta Serasa

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana