conecte-se conosco


Política MT

Igreja propõe pagar R$ 500 mil para desbloquear imóvel doado em Cuiabá

Publicado

A União Centro Oeste Brasileira da Igreja Adventista do Sétimo Dia (UCOB) tenta desbloquear um imóvel, doado pela prefeitura de Cuiabá no ano de 1979, oferecendo como depósito a quantia de R$ 500 mil. O grupo religioso recebeu a doação com a finalidade de construir a sua sede, porém, no ano de 2010, outra doação foi realizada, dessa vez, pelo Governo do Estado – o que fez com que a Igreja Adventista não cumprisse com a finalidade da cessão do bem pela prefeitura de Cuiabá.

Em despacho do último dia 4 de novembro, a juíza da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular, Celia Regina Vidotti, deu 15 dias para o Ministério Público do Estado (MP-MT), autor da denúncia que resultou no bloqueio do imóvel, e a prefeitura de Cuiabá, se manifestarem sobre o pedido da Igreja Adventista.

“No tocante ao pedido contido no movimento, para a liberação do bem bloqueado, mediante o depósito nos autos da quantia de R$ 500.379,32, intime-se a parte autora e o Município de Cuiabá para manifestação, no prazo de 15 dias”, determinou a magistrada.

Leia mais:  Mauro assina carta por manutenção de Mato Grosso na Reforma da Previdência

De acordo com informações do processo, a Igreja Adventista recebeu da prefeitura de Cuiabá um imóvel na própria Capital, por meio de uma Lei do ano de 1979. O ato teve a finalidade de construção da sede do grupo religioso.

Em 2010, após receber outra doação, do Governo do Estado, a Igreja Adventista transferiu a sua sede para o novo endereço. Com a medida o MP-MT interpôs uma denúncia alegando que o imóvel anterior tinha perdido a sua finalidade na posse do grupo.

Além disso, conforme explicam os autos, a doação do Governo do Estado foi declarada nula pelo Poder Judiciário Estadual – ou seja, a Igreja Adventista corre o risco de perder a sua sede. Ela pede nos autos para transferir o imóvel doado pela prefeitura em troca do terreno cuja cessão foi declarada ilegal. O Ministério Público, porém, é contra a medida.

Comentários Facebook
publicidade

Política MT

MT vai receber R$ 430 milhões recuperados da Lava Jato

Publicado

O governo federal foi autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a repassar R$ 430 milhões aos estados da Amazônia Legal para o combate ao desmatamento e incêndios. Para agilizar o repasse dos recursos, os governadores pediram ao Supremo que o repasse possa ser fundo a fundo, dessa forma a União não teria que pedir autorização para usar os recursos.

 

O governador Mauro Mendes (DEM) é um dos defensores da ideia. O democrata destacou que o dinheiro poderia ser usado de forma mais célere.

No entanto, a expectativa é de que o dinheiro seja usado no ano que vem. Porém, Mato Grosso já se adiantou e fez a primeira reunião de trabalho com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na quinta-feira (21).

O governador adiantou que parte do recurso que virá para Mato Grosso será usado na titulação de terras. Ele acredita que dessa forma é possivel reduzir o desmatamento na Amazônia, já que é de fácil identificação do responsável. O governador também anunciou que o Sistema Planet, que detecta desmatamento com a comparação de imagens de um dia pro outro será usado para ajudar nas ações de combate ao fogo também.

Leia mais:  Kero Kero assume presidência do PSL e fala em melhorias para o partido

 

Os recursos de R$ 430 milhões são de dinheiro recuperados com os casos de corupção da Petrobras, fruto da operação Lava Jato. Os critérios de distribuição foram definidos pelo ministro do Supremo, Alexandre de Moraes.

 

O governo de Mato Grosso ainda faz as contas para saber o quanto tem a receber. Dados do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), apontam Mato Grosso como o segundo colocado no desmatamento da Amazônia. O estado foi responsável por mais de 17% do desmatamento.

Em coletiva, Mauro ressaltou a preocupação com o número já que o Estado é o maior produtor de carne, soja ealgodão e boa parte dos produtos são exportados para outros países e a questão ambiental é um fator determinante para esses mercados, como a Europa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Hospitais tentam suspender julgamento sobre fraudes de R$ 8,6 mi em MT

Publicado

O presidente e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), Domingos Neto, manteve o julgamento para esta sexta-feira (22) de um processo referente a auditoria de conformidade da judicialização da saúde em Mato Grosso. O levantamento apontou quanto o Estado gasta ao cumprir decisões judiciais que determinam que o Poder Público ofereça tratamento médico a pacientes que não conseguem o atendimento adequado pelo SUS. A decisão foi publicada pelo TCE-MT na última quinta-feira (21).

Os hospitais Santa Rosa, São Mateus, a Clínica Dietética – Tecnovida, a Quality Medical, e a infectologista Soraya Byana Rezende da Silva Rossi pediram a suspensão do julgamento apontando para uma suposta falta de competência do TCE-MT em se opor ao direito das empresas de “cobrarem o que querem” de seus clientes. O levantamento feito pela Corte de Contas apontou um prejuízo aos cofres públicos de R$ 8,6 milhões em razão de um suposto superfaturamento do preço cobrado ao Estado por essas unidades de saúde particulares.

O conselheiro Domingos Neto, entretanto, explicou que a competência do órgão em julgar os indícios de superfaturamento já foi “exaustivamente” debatida pela conselheira interina Jaqueline Jacobsen, relatora no órgão da auditoria. Ela revelou as irregularidades em julgamento do dia 24 de setembro de 2019.

“No tocante ao Incidente de Inconstitucionalidade apresentado pelos requerentes, em estrita consonância com os termos do parecer de lavra do Douto Ministério Público de Contas, entendo que a matéria suscitada (competência do Tribunal de Contas para fiscalizar agentes privados que recebam recursos públicos) foi exaustivamente debatida pela Conselheira Relatora”, explicou o conselheiro.

Leia mais:  TRE manda para 1ª instância ação contra deputado por compra de votos em MT

Domingos Neto também lembrou que o julgamento ainda não foi concluído em razão de um pedido de vista do conselheiro substituto Isaias Lopes da Cunha. Ele pediu para analisar o levantamento antes de proferir o seu voto pela devolução dos R$ 8,6 milhões aos cofres públicos – entendimento esse adotado pela conselheira Jaqueline Jacobsen.

“No momento, o processo ainda aguarda Voto Vista do Conselheiro Interino Isaías Lopes da Cunha, o qual também pode ter entendimento diverso da Relatora. Portanto, eventual pena de ressarcimento ao erário ainda aguarda deliberação do Pleno dessa Corte de Contas, a qual se dará por meio de Acórdão, não sendo o presente Requerimento a via processual adequada para se impugnar os fundamentos do Voto da Relatora do processo”, ensinou o presidente do TCE-MT.

JUDICIALIZAÇÃO

Segundo informações do processo que tramita no TCE-MT, o órgão realizou uma auditoria nos processos judiciais que obrigou o Estado de Mato Grosso, e também a prefeitura de Cuiabá, a prover os atendimentos médicos e hospitalares no período de 2014 a 2016.

Leia mais:  Juiz bloqueia R$ 51 mil em bens de ex-servidor que vendeu caminhonetes do Estado

Alguns números apontados pela conselheira interina, referentes a irregularidades e superfaturamento na prestação de serviços médicos e hospitalares, causam choque. Uma das decisões judiciais – cumpridas pelo Hospital Santa Rosa, em Cuiabá -, aponta que somente um paciente beneficiado com a “judicialização” consumiu R$ 2.147.622 dos cofres públicos. Só neste caso, o TCE-MT revelou um superfaturamento de R$ 1.140.732 (53,79% a mais do que o custo verificado).

As irregularidades, conforme o TCE-MT, não pararam por aí: o Hospital São Mateus (novamente na Capital) atendeu 6 pacientes beneficiados com decisões judiciais – fato que consumiu dos cofres públicos R$ 2.060.803,00. Desse total, em torno de 71,5% (R$ 1.473.515) foi superfaturado.

A conselheira interina Jaqueline Jacobsen também revelou que, no período de 2014 a 2016, foram impetradas 10.500 ações vinculadas a saúde no Estado de Mato Grosso. Estas ações geraram gastos da ordem de R$ 233 milhões.

Com os recursos, conforme a relatora da auditoria informou, seria possível construir um pronto socorro na Capital no valor de R$ 100 milhões, 14 unidades de pronto atendimento (UPA) a R$ 63 milhões, além de 58 unidades básicas de atendimento pelo custo de R$ 60 milhões.

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana