conecte-se conosco


Policial

Operação combate bandidos que agem dentro de presídios em MT

Publicado

MidiaNews

Mais de 70 suspeitos são alvos da operação integrada “Agenda Nacional 1”, deflagrada nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira (10), por forças  de Segurança Pública, na região de Barra do Garças (509 km de  Cuiabá), para combater criminosos envolvidos em ações ordenadas de dentro de celas de presídios e centros socioeducativos de Mato Grosso.

São 33 mandados de prisão contra membros de uma organização criminosa e 40 mandados de busca e apreensão, com objetivo de apreensão de armas de fogo, drogas, veículos, documentos e outras provas de crimes cometidos pelos suspeitos alvos da investigação. As ordens judiciais foram expedidas pela 7ª Vara do Crime Organizado de Cuiabá.

A operação cumpre agenda do Ministério da Justiça e da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) do Governo do Estado de Mato Grosso. A ação é coordenada pela Polícia Civil de Barra do Garças, com auxílio importante da Polícia Federal e da Polícia Militar de Barra do Garças nos levantamentos.

Também estão presentes na operação a Polícia Rodoviária Federal, Corpo de Bombeiros Militar, Sistema Penitenciário, Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), e o Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOpaer).

As Polícias apuraram, que do interior dos muros de unidades prisionais das cidades mato-grossenses Barra do Garças, Água Boa, Nova Xavantina, Comodoro, Cuiabá, e Aragarças, em Goiás, criminosos faccionados  estão por trás de crimes violentos como latrocínios e roubos, ocorridos na cidade de Barra do Garças e municípios circunvizinhos, e ainda agindo corriqueiramente em estelionatos, furtos e tráfico de drogas, tudo objetivando disseminar a violência e fortalecer diversas formas de arrecadação financeira ao grupo criminoso.

Leia mais:  Taxista tenta atropelar grávida após discussão no trânsito

Dos criminosos alvos, 22 serão notificados das ordens judiciais dentro de unidades prisionais do Estado, de onde, mesmo reclusos, articulam e ordem crimes fora das cadeias.

O delegado da Polícia Civil de Barra do Garças, Nelder Pereira Martins, coordenador da operação e presidente dos autos do inquérito policial, informou que o fato dos presos integrarem organização criminosa já caracteriza delito autônomo ou independente com pena de reclusão de 3 a 8 anos.

“Nesse sentido, a Polícia Judiciária Civil de Barra do Garças representou pela expedição de 33 mandados de prisão preventiva e, a fim de coletar ainda mais provas representou também pela expedição de 40 mandados de busca e apreensão”, disse.

Conforme Nelder, a forma de agir da facção criminosa é semelhante em vários estados da federação, assim como em outras regiões de Mato Grosso, sempre objetivando aumentar o lucro financeiro da organização. “Nossas investigações vem combatendo a facção deste a operação 10º Mandamento, em 2018. Esse trabalho conjunto com todas as instituições reforça ainda mais essa repressão qualificada”, afirma.

Leia mais:  Homem ameaça matar a ex-amante e é preso pela PM na Capital

O delegado chefe da Polícia Federal de Barra do Garças, Rafael Valadares de Oliveira, destacou a atuação conjunta das forças de segurança pública, para combater a criminalidade organizada na região.

“A atuação em conjunto das forças de segurança pública, sem prejudicar suas respectivas atribuições constitucionais, é um dos meios mais eficazes de se combater o crime organizado. Atualmente, uma das diretrizes nacionais da Polícia Federal é a repressão às organizações criminosas. Na região de Barra de Garças/MT, outros trabalhos interinstitucionais têm sido feitos, mas, este, com certeza, é o mais importante e vem a coroar uma força tarefa que pode vir a render bons frutos”, afirmou.

O comandante do 5º Comando Regional de Polícia Militar, tenente-coronel Antonio Gilvando de Souza, tamém destacou importância de operação e das ações integradas na repressão à criminalidade. “Além de reduzir os índices, um dos objetivos, fortalece os órgãos da Segurança Pública, eleva a confiança e sensação de segurança entre os cidadãos do Vale do Araguaia”, disse.

O comandante lembra que essa não é primeira vez que o trabalho integrado acontece, a parceria entre as polícias Militar e Civil, por exemplo, faz parte das atividades operacionais na região.

Participam da operação mais de 200 policiais das instituições de segurança pública estadual e federal, com emprego de 55 viaturas, 1 helicóptero e cães farejadores.

Comentários Facebook
publicidade

Policial

Fim de briga de facções ajuda na queda de 50% dos homicídios

Publicado

Apesar do medo e da sensação de insegurança vivenciada por grande parte da população, a violência caiu pela metade na Grande Cuiabá na última década, atingindo o menor patamar em 15 anos.

O pequisador Naldson Ramos, especialista em violência, afirma que a redução se deve também a outros fatores. Um deles é o predomínio do Comando Vermelho, que dizimou o Primeiro Comando da Capital (PCC) e passou a ser hegemônico na Grande Cuiabá, colocando fim a qualquer tipo de desavença entre facções.

Entre os anos de 2010 e 2019, o número absoluto de homicídios na Grande Cuiabá caiu 53,8%.

Há dez anos, a Polícia Civil havia registrado 310 assassinatos nas cidades de Cuiabá e Várzea Grande. Em 2019, foram 143. A queda se deu nas mesmas proporções nos dois municípios quando os números são observados separadamente.

Em Cuiabá, os homicídios caíram de 199 em 2010 para 93 no ano passado, uma redução de 53,26%. Em Várzea Grande, o tombo foi de 54,95% – de 111 para 50 casos.

Quando observada a taxa de homicídios por 100 mil habitantes, que é o parâmetro usado no mundo inteiro, a queda é ainda maior, já que no período houve redução nos números absolutos de mortes e aumento na população.

Leia mais:  Três jovens são presos e dois adolescentes aprendidos por tráfico de drogas

Em 2010, houve em Cuiabá 36,1 homicídios para cada grupo de 100 mil moradores. Em 2019, esse indicador desabou para 15,18, uma queda de 58,53%.

Várzea Grande experimentou redução ainda maior: de 43,94 para 17,54 assassinatos por 100 mil. Isso representa uma redução de 60,08%.

 

Fatores

Na análise do sociólogo Naldson Ramos, integrante do Núcleo de Pesquisa de Violência e Cidadania da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), a redução nos números se dá por diversos motivos.

O especialista citou um dos fatores alheio à política de Segurança Pública, que é a domínio imposto pelo C.V. na região.

“O Comando Vermelho, praticamente, limou o PCC do Estado. Eles não têm mais disputa de territórios entre eles. Não que o PCC tenha desaparecido por completo, mas perdeu influência nos territórios hoje dominados pelo C.V.”, afirmou ao MidiaNews.

Naldson ainda apontou que houve a neutralização de grupos criminosos no Estado, como foi o caso do “Novo Cangaço”, e dos crimes de pistolagem, investigados na Operação Mercenários, em 2016.

Os diversos trabalhos de integração das forças de Segurança Pública, a contratação de novos policiais e o investimento no trabalho de inteligência das forças policiais são outros pontos levantados pelo sociólogo.

Leia mais:  Quadrilha que comercializava armas de fogo é presa pela PM

“Outro fator, é a questão RISP, que a Região Integrada de Segurança Pública, que tem a participação integrada da Policia Civil, Policia Militar, sociedade civil, Polícia Técnica, Bombeiros. Nas cidades que tem Guarda Municipal também há a participação, para discutir e debater os crimes que ocorrem nessas regiões”, disse.

 

Segurança Pública

Para o secretário adjunto de Integração Operacional da Secretaria de Segurança Pública, coronel Victor Fortes, três fatores podem explicar essa redução.

“Primeiro, a integração das forças policiais no combate a esse tipo de crime. A PM e a Polícia Civil estão trabalhando de forma integrada. Isso fortalece e inibe muito a prática desses crimes”, disse.

Ainda conforme o militar, outro fator é o monitoramento “praticamente diário dos índices de homicídio”. “Se a gente percebe que algum município ou alguma região que o número foge da meta estabelecida, a gente já designa uma ação pontual na região”, afirma.

“Outro fator muito importante também é a confiança da sociedade, que passou a denunciar mais. Então eles começaram a acreditar mais no serviço das polícias. E à medida em que há algum crime de homicídio, nós conseguimos no disque-denúncia informações sobre a autoria”, completou.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Bombeiros localizam corpo de mulher assassinada e jogada em cachoeira

Publicado

Equipes do Corpo de Bombeiros resgataram na sexta-feira (24) o corpo de Rozinha Edileuza da Silva, de 43 anos, em um precipício da Cachoeira Salto das Andorinhas,em Aripuanã (a 1.002 km a Noroeste de Cuiabá).

A mulher foi vítima de um latrocínio (roubo seguido de morte) junto com seu marido, Luiz Sérgio da Silva Lechuga, de 57 anos, na última quinta-feira (23).

Segundo informações dos bombeiros, o corpo de Rozinha foi localizado na manhã de sexta, pela Polícia Civil da região, porém o resgate só foi concluído por volta das 14h.

Já o corpo de seu marido foi localizado no dia do crime com os braços para trás, mãos amarradas, uma mordaça de pano na boca e um nó atado no pescoço.

 

Relembre o caso

O casal foi encontrado morto dentro do precipício da Cachoeira Salto das Andorinhas, ponto turístico da cidade de Aripuanã , na última quinta-feira (23).

Três suspeitos do crime – um homem e duas mulheres – foram presos pela Polícia Civil do município com apoio da Polícia Militar do Estado de Rondônia, ainda na data do crime, quando chegavam à cidade de Cacoal (RO).

Leia mais:  Casal é assassinado e corpos são jogados em cachoeira de MT

Com os suspeitos foram apreendidas duas caminhonetes que foram roubadas das vítimas antes de suas mortes, sendo uma Toyota Hilux e uma Ford F-1000.

Ao serem interrogados pela Polícia, um dos suspeitos confessou o crime.

Ele afirmou que as caminhonetes haviam sido roubadas na noite de quarta-feira (22) e revelou que, após matar as vítimas, lançou os corpos na cachoeira.

O suspeito também passou informações sobre um quarto envolvido no latrocínio, mas ele ainda não foi localizado.

O casal era natural de Coronel Sapucaia (MS) e havia se mudado para Mato Grosso há pouco tempo.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana