conecte-se conosco


Saúde

Para cada caso confirmado, governo testa até 40 pessoas próximas ao paciente

Publicado

Dados do último boletim epidemiológico apontam que 1.482 pessoas já testaram negativo para a Covid-19, o coronavírus, número muito superior aos 241 casos confirmados da doença. Como aponta o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, isso se deve ao fato de que para cada paciente contaminado até  40 pessoas próximas a este infectado também são testadas.

A afirmação do secretário foi feita na manhã desta sexta-feira (24), durante transmissão ao vivo nas plataformas oficiais do governo. Figueiredo apontou que há um esforço contínuo por parte da secretaria de Estado de Saúde (SES) em investigar os casos confirmados.

“Não existe caso confirmado sem investigação. Quando um caso é confirmado positivo, nós investigamos a família, pessoas próximas. Às vezes, uma notificação é feita no nosso sistema e  caso seja confirmada, a gente acaba investigando 30 até 40 pessoas próximas desse paciente”, disse o secretário.

“Não existe caso confirmado sem investigação. Quando um caso é confirmado positivo, nós investigamos a família, pessoas próximas. Às vezes, uma notificação é feita no nosso sistema e  caso seja confirmada, a gente acaba investigando 30 até 40 pessoas próximas desse paciente”, disse o secretário.

“Por isso que o número de testes realizados no Lacen é muito superior ao número de casos confirmados. Que bom que a maioria dos casos não se confirma vítima, mas a investigação é feita em todas, inclusive depois do óbito”, acrescentou Figueiredo.

O foco destas testagens incide sobre os casos já confirmados, a fim de verificar o grupo próximo às pessoas infectadas. Contudo, Mato Grosso não conta com um serviço de testagem em massa.

Conforme já noticiado, o estado tem uma capacidade de realizar até 400 exames por dia, quando consideradas as testagens feitas pelos setores público e privado.

Para o caso de pacientes que morreram com suspeita de contágio pela Covid-19, a testagem é feita com um material coletado da vítima e encaminhada ao Lacen.

“Por isso é que às vezes ainda há dúvida se o óbito foi por Covid ou não. O paciente veio a óbito antes de um diagnóstico fechado, ou seja, um teste conclusivo, e aí se coleta a amostra do paciente e faz o teste e o resultado sai depois do óbito”, finalizou o gestor.

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Ribeiro atribui índices de suicídio entre jovens à falta de propósitos

Publicado

por

 Agência Brasil

No Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, lembrado nesta quinta-feira (10), o ministro da Educação, Milton Ribeiro, atribuiu o problema no Brasil ao fato dos adolescentes terem perdido “todas as certezas”. “A grande moda dos sociólogos e dos filósofos, e de algumas correntes políticas hoje, é destruir tudo, é desconstruir tudo. Mas o pior é que não se coloca nada no lugar, deixam um vazio”, criticou. 

A declaração foi dada durante o evento do Ministério da Saúde para lançar as Ações de Educação em Saúde em Defesa da Vida.

Ainda segundo Ribeiro, jovens e adolescentes perdem a motivação e vivem sem propósitos, o que os leva a tirar a própria vida. “Temos hoje no Brasil, no meu diagnóstico, por essa quebra de absolutos e certezas, verdadeiros zumbis existenciais, não acreditam mais em nada: Deus, política. Eles não têm nenhuma motivação”, disse, acrescentando que esse estado de coisas faz parte de “pedagogias equivocadas”.

Pandemia

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, voltou a destacar as quatro ondas que estão ligadas à pandemia da covid-19. Além da primeira, ligada ao contágio da doença, ele lembrou que a segunda onda tem a ver com mortes causadas por doenças não tratadas, aumentando a possibilidade de mortes, seguida de outra, que tem a ver com o aumento da violência doméstica.

“A quarta onda está baseada no que estamos tratando hoje, depressão, automutilação e suicídio, já está acontecendo como resultado da pandemia. Se não tratarmos, perderemos mais pessoas para a pandemia”, alertou.

O ministro interino reconheceu que muitas doenças foram “deixadas de lado” pelo fato dos recursos do ministério terem sido concentrados em ações para combater a pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Setembro Amarelo

A partir da campanha Setembro Amarelo, voltada para conscientização e prevenção ao suicídio, uma série de atividades educativas, itinerantes e online contemplam a realização de quatro ciclos de promoção e prevenção em saúde.

No primeiro ciclo, as ações estão voltadas à prevenção do suicídio e da automutilação. As atividades incluem cursos a distância, encontros, palestras e elaboração de materiais para ampliar o atendimento em saúde, a formação nas escolas e nas comunidades. O objetivo é qualificar o conhecimento de profissionais da área, conselheiros tutelares, professores, líderes sociais, religiosos e de entidades beneficentes, para que eles sejam multiplicadores da prevenção.

Nos próximos meses serão  abordados mais três assuntos de forma inédita: gravidez na adolescência; uso de drogas lícitas e ilícitas e ética da vida (relacionada à prevenção da violência contra crianças, mulheres e idosos).

Os temas foram escolhidos por terem indicadores negativos no Brasil.

Números

Segundo a Secretaria de Gestão de Trabalho e de Educação na Saúde do Ministério da Saúde, o Brasil é o primeiro país em incidência de ansiedade e segundo do mundo em casos de depressão. Quando o recorte é feito entre jovens de 15 anos de idade a 24 anos de idade, o país – que enfrenta uma epidemia de automutilação – tem o segundo maior número de mortes por suicídio.

Segundo as autoridades de saúde, informação correta direcionada à população é muito importante para orientar e prevenir o suicídio, que tem cerca de 12 mil registros todos os anos no Brasil e mais de 1 milhão no mundo. Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais.

Comitê

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, assinou a portaria que cria o comitê destinado a implementar a Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio. A ideia é que o órgão de assessoramento, com caráter consultivo, promova o fortalecimento de estratégias permanentes de educação e saúde, em especial quanto às formas de comunicação, prevenção e cuidado.

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Aberta consulta pública para Política Nacional de Informação em Saúde

Publicado

por

Agência Brasil

O Ministério da Saúde disponibilizou em seu site a proposta inicial para a portaria que instituirá a Política Nacional de Informação e Informática em Saúde Pública (PNIIS). Com a publicação da Consulta Pública nº 70 no Diário Oficial da União de hoje (4), tem início o prazo de 15 dias para o recebimento das manifestações sobre o texto.

A PNIIS tem, por finalidade, “promover a melhoria da governança no uso da informação, das soluções de tecnologia da informação e da saúde digital, visando à inovação em saúde e à transformação digital do governo e dos processos de trabalho em saúde”.

O dispositivo legal prevê, como plataforma de colaboração digital de informações e serviços na área de saúde, a implementação da Rede Nacional de Dados em Saúde anunciada ontem (3) pelo diretor do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), Jacson Barros. “A ideia é que a RNDS seja um banco central da troca de dados em saúde”, declarou ele durante coletiva de imprensa online no Ministério da Saúde.

O texto disponibilizado hoje para consulta pública sobre a Política Nacional de Informação e Informática em Saúde Pública apresenta observâncias, funções, orientações, atribuições, diretrizes, competências e responsabilidades de instituições e profissionais da saúde pública em todas esferas da administração pública.

Descreve também funções e orientações da Rede Nacional de Dados em Saúde, enquanto “plataforma de colaboração digital de informações e serviços de saúde digital do país”.

O texto da proposta inicial da PNIIS está disponibilizado para consulta pública no site do Ministério da Saúde.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana