conecte-se conosco


Agronegócio

Professor contesta aquecimento global e diz que ação do homem não influencia temperatura do planeta

Publicado

O professor doutor em Geografia Física – área de climatologia antártica, Ricardo Felício, que esteve em Mato Grosso na última semana, afirma que a ação do homem no planeta terra não influencia a temperatura e que aquecimento global é um mito propagado por países ricos na tentativa de atrasar o desenvolvimento de países emergentes como o Brasil. Ele explicou que, historicamente, as temperaturas do planeta sempre oscilaram, que a própria ideia de clima é variabilidade e que existe diferença entre o clima planetário e os microclimas que sentimos nos ambientes urbanos.

Ricardo Felício tem um currículo acadêmico de peso. Ele é bacharel cientista em Meteorologia pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em meteorologia antártica pelo INPE, doutor em Geografia Física, área de climatologia antártica pela USP. Ele afirmou que o clima sempre muda e que o planeta já passou por um período relativamente mais frio no passado recente, sendo este período utilizado como referência pelo Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) da Organização das Nações Unidas (ONU) para defender o aquecimento global.

O professor disse que neste período houve uma menor atividade solar, mas que ela foi aumentando até o ano de 1957, aproximadamente. Depois disso, ele explicou, a atividade do sol diminuiu novamente, fazendo com que as temperaturas caíssem.

“Isto faz parte do ciclo natural do planeta terra, atribuir este fenômeno à atividade humana é disparate, porque não tem isso registrado na história do planeta, sempre são ciclos naturais em que você tem aumento e diminuição de temperaturas, mexe no ciclo hidrológico e nada disso tem interferência do ser humano. O ser humano sofre as ações do clima e tem que sempre se adaptar, tanto os métodos produtivos quanto a sua sobrevivência”, disse.

Felício também rebateu a teoria de que a atmosfera da terra trabalha como uma “estufa”. Ele defende que, na verdade, a atmosfera da terra é um grande “amortecedor”, que não deixa que o planeta resfrie absurdamente e nem esquente absurdamente.

“A atmosfera é radiativa na estratosfera, onde se forma ozônio, onde tem outros processos, mas próximo à superfície, onde tem a troposfera, o processo é convectivo, ou seja, a troposfera trabalha do quente que está embaixo para o frio que está em cima, então é uma impossibilidade física que um fluido frio esquente uma superfície quente, é física básica, então não dá para admitir que a atmosfera trabalha como uma estufa”, disse.

Leia mais:  Comissão da Câmara dos Deputados discutirá licenciamento ambiental em Mato Grosso

Ricardo garante que a ação humana não provoca qualquer influência nas alterações de temperaturas do planeta.  Ele afirma que o aumento de CO2 na atmosfera, liberados pelo homem, não é maior do que o que já é liberado naturalmente, portanto não causa qualquer impacto.

“O que a gente observa, não só no agronegócio, mas em qualquer atividade humana, a relação escalar do homem com o meio ambiente é muito pequena, então se tem algum problema ambiental é de micro escala, que a gente usa a tecnologia para resolver. Falar que emitir CO2 muda a composição química da atmosfera, isso é mito, completo, porque todos os gases da atmosfera trabalham de forma convectiva, e as maiores fontes de CO2 que nós temos na natureza são de forma natural, os oceanos, vulcões. Então não tem como a gente falar que a ação humana muda a composição química da atmosfera, porque a física que está envolvendo isso não se sustenta”.

O doutor acredita que o argumento do aquecimento global é propagado por interesses geopolíticos. Ele diz que países ricos tem interesse em atrasar o desenvolvimento de países emergentes como o Brasil e por isso tentam impor esta visão.

“Sociedades emergentes, que são os países subdesenvolvidos, cada vez têm mais dificuldades em se desenvolver, porque são colocados sempre estes entraves em cima dos métodos produtivos. Por exemplo, estão lá falando que vão taxar o G20, vocês acham que o pessoal dos países ricos vão fazer isso? Não vão, a exemplo está aí a Alemanha, encerrando as usinas nucleares, tendo altas dificuldades em gerar energia com eólicas e está queimando carvão, que solta enxofre na atmosfera, isso sim é tóxico. A França, por exemplo, tem 77% de sua matriz energética nuclear, e os reatores nucleares franceses estão dando muitos problemas, então no final das contas eles vão voltar a queimar carvão”.

Ele cita que até mesmo líderes que se posicionam contra as teorias do aquecimento global, como nos Estados Unidos e Rússia, não querem que o Brasil saia dos acordos ambientais internacionais, como o acordo de Paris, que rege medidas de redução de emissão de gases estufa.

Leia mais:  Queda de 2,20% no preço do milho em Mato Grosso foi influenciada pelo câmbio

“Por exemplo, Putin e Trump são dois grandes estadistas nos seus países, eles falam categoricamente que aquecimento global é fraude, eles não concordam com o acordo de Paris, mas nenhum deles apóia que o Brasil saia, então isso é evidente, eles falam isso porque eles fazem nos países deles, mas nenhum deles defende que o Brasil saia, porque eles têm interesse em cima da gente, como a China também tem interesse. China e índia inclusive também não defendem esta hipótese e adiam todos os protocolos o máximo que podem, o Brasil aceita todos”.

O professor não nega que existam alterações climáticas, porém afirma que nenhuma delas tem relação com a ação do homem no planeta. Ele diz ainda que até mesmo desmatamento e expansão de cidades não provocam qualquer alteração na temperatura do planeta como um todo.
“Amazônia representa 1% da superfície do planeta terra, então você não está queimando e destruindo a Amazônia inteira, então não é nem 1% total, isso não influenciaria a temperatura, então a gente tem que tomar muito cuidado com estas relações escalares. Por exemplo, cidades mudam o clima da terra? Ridículo isso, porque as cidades do planeta representam 0,05% da superfície. A maior parte da população, nos últimos 20 anos, está nas cidades, aí você tem esta sensação de microclima urbano e acha que isto está no planeta, mas não está, tem que tomar cuidado para diferenciar o que é microclima e clima planetário”.

Felício também afirma que não é contra a preservação do meio ambiente, apenas defende que a temperatura do planeta não é influenciada pela ação do homem. Ele diz que a sociedade deveria focar em problemas ambientais reais, como a poluição de fontes hídricas.

“Tem que descolar o discurso, uma coisa é falar de aquecimento global, que o homem está mudando o clima, e outra coisa são os cuidados que nós temos que ter com o meio ambiente, por exemplo, algo que ninguém fala é saneamento básico, que o Brasil ainda carece absurdamente, e 90% dos nossos problemas ambientais estão relacionados a saneamento básico”.

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

JBS abre mais de 80 vagas em quatro municípios de Mato Grosso

Publicado

A JBS anunciou a abertura de 81 vagas de trabalho no estado de Mato Grosso, para as unidades de Alta Floresta, Araputanga, Barra do Garças e Confresa. Além de oportunidades para atuar nas linhas de produção, em funções que não exigem experiência, também há vagas para eletricista industrial e supervisor de produção. Pessoas com necessidades especiais também podem participar das seleções.

Confira as oportunidades disponíveis em cada região e como fazer para se candidatar:

Alta Floresta

1.    Supervisor de Produção (abate e desossa): Necessário ter Ensino Médio completo e experiência comprovada em Carteira de Trabalho em empresas do setor. Há 2 vagas disponíveis para a função.

2.    Operador de produção: Não é necessário ter experiência na área para se candidatar. Ao todo, são 17 vagas disponíveis.

3.    Vagas para pessoas com deficiência: a unidade disponibiliza 10 vagas para diversas atuar em funções.

Triagem: Preenchimento de cadastro até o dia 29/11, das 6h às 15h, na unidade. Endereço: Rodovia MT 208, KM 150, s/nº, Zona Rural, Alta Floresta (MT). Mais informações: (66) 3512-7529 / 3512-7515 e pelo e-mail vanessa.peraro@friboi.com.br.

Leia mais:  Produtores de algodão do Mato Grosso pedem anulação de patente da Bayer

Araputanga

1.    Operador de produção: Não é necessário ter experiência na área para se candidatar. Ao todo, são 20 vagas disponíveis, e pessoas com deficiência podem se candidatar.

Triagem: Preenchimento de cadastro no Centro de Referência da Assistência Social – CRAS, de segunda a sexta-feira, em horário comercial. Endereço: Rua Horácio Alcântara de Carvalho, 798, Centro, Araputanga (MT). Mais informações: (65) 3211-2031. Quem mora em São José dos Quatro Marcos e tem interesse em participar da seleção deve enviar currículo para o e-mail:  recrutamento.ara@friboi.com.br.

Barra do Garças (JBS Couros)

1.    Ajudante de produção: Não é necessário ter experiência na área para se candidatar, mas é preciso ter disponibilidade de horário. Ao todo, são 7 vagas disponíveis.

Triagem: Preenchimento de cadastro de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h, na unidade da JBS Couros em Barra do Garças (endereço: BR 070, KM 12,5, Zona Rural, Barra do Garças), ou no SINE, em horário comercial (Endereço: Travessa Voluntários da Pátria – Centro). Mais informações: (66) 3402-3400.

Leia mais:  Brasil é o 4º maior produtor de tilápia

Barra do Garças (Friboi)

1.    Faqueiro e serrador de abate: Os candidatos devem ter experiência na função que desejarem se candidatar. Ao todo, são 3 vagas disponíveis.

Triagem: Envio de currículo para o e-mail raiane.porto@friboi.com.br. Mais informações: (66) 3402-2968.

Confresa

1.    Eletricista industrial: Para se candidatar, os interessados devem ter curso de eletricista industrial de no mínimo 200 horas; curso de NR 10 ( segurança em instalações e serviços em eletricidade); e CEP (curso de formação de eletricista de instalações industriais). Também é necessário ter Ensino Médio completo, experiência na função e disponibilidade para residir em Confresa.

Triagem: Inscrições até o dia 29/11, por meio do site vagas.com.br, ou envio de currículo para o e-mail cleiton.oliveira@friboi.com.br ou jacelia.costa@friboi.com.br.

2.    Operador de produção: Não é necessário ter experiência na área para se candidatar. Ao todo, são 30 vagas disponíveis e pessoas com deficiência podem se candidatar.

Triagem: Retirada de fichas para preenchimento no SINE, às segundas e sextas-feiras, em horário comercial. Endereço: Rua Mato Grosso, 95, Centro, Confresa (MT). Mais informações: (66) 3564-232.

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Agricultura de Precisão: Novas soluções para cadeia do algodão em MT

Publicado

“Aqui é o local para você alinhar e encontrar as soluções para os nossos desafios”. Essas foram as palavras iniciais do presidente da Associação Mato-Grossense do Algodão (AMPA) e do Instituto Mato-Grossense do Algodão, Alexandre Pedro Schenkel, na visita à Embrapa Instrumentação, em São Carlos (SP), para conhecer os resultados da parceria em Agricultura de Precisão.

Schenkel, agricultor em Campo Verde, e que também exerce os cargos de vice-presidente do Conselho Administrativo da Abrapa – Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, presidente do IAS – Instituto Algodão Social e presidente do Conselho de Administração do IPA – Instituto Pensar Agro, destacou que os produtores do estado se identificam muito com as novas tecnologias, que têm um perfil mais desruptivo e gostam de inovações.

Com uma produção anual de 1,7 milhão de toneladas em uma área de 1,1 milhão de hectares, Mato Grosso produz dois terços do algodão brasileiro, a maior parte para exportação – até o início da década de 90 o Brasil era importador. “A conexão entre o conhecimento produzido em nossos laboratórios com a prática dos produtores do Centro-Oeste está resultando em metodologias e recomendações para tornar o setor ainda mais competitivo, é uma parceria estratégica para ambos”, disse o chefe-geral da Embrapa Instrumentação, João Naime.

Leia mais:  Produtores de algodão do Mato Grosso pedem anulação de patente da Bayer

No Laboratório de Referência Nacional em Agricultura de Precisão (Lanapre), ele conheceu os detalhes das pesquisas que envolvem fazendas em Sapezal – dos grupos Scheffer e Amaggi – e Rondonópolis – das Sementres Petrovina. O pesquisador Ricardo Inamasu, líder da Rede de Agricultura de Precisão, falou sobre o resultado obtido com as metodologias de uso de sensoriamento proximal e aéreo para identificar a variabilidade na área e administrar os fatores limitantes de produção.

 

NA TERRA E NO AR

Os resultados do projeto de Agricultura de Precisão liderado pela Embrapa envolvem ainda a obtenção de parâmetros agronômicos por experimentação on-farm para subsidiar a aplicação de sementes e fertilizantes à taxa variável, além do mapeamento de áreas com sintomas de ocorrência de ataques de fitonematoides e sua correlação com atributos do solo e a produtividade do algodoeiro.

Os experimentos, que começaram há dois anos (em algumas áreas há menos tempo), incluem também protocolos de amostragem de solos (tema discutido em workshop da Rede AP), sensoriamento remoto, imagens aéreas, mapas de teores de matéria orgânica dos solos, e condutividade elétrica aparente dos solos para delineamento de unidades de gestão diferenciada (UGD) em áreas de produção, que foram explicados em detalhes pelos pesquisadores Carlos Vaz e Lúcio Jorge, da Embrapa Instrumentação e pelo analista Eduardo Speranza, da Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP).

Leia mais:  Queda de 2,20% no preço do milho em Mato Grosso foi influenciada pelo câmbio

A parceria contempla também, entre os resultados, a análise semiautomática de dados georreferenciados para extração de conhecimento e o auxílio à tomada de decisão em questões relacionadas à gestão da lavoura. “O algodão tem uma característica de utilizar muita tecnologia em praticamente todos os seus processos”, lembrou o presidente da AMPA e do IMAmt, destacando que o uso de drone, por exemplo, pode auxiliar no monitoramento de pragas na lavoura.

A discussão sobre outras tecnologias com potencial para utilização na cotonicultura incluiu uma visita aos laboratórios de Óptica e Fotônica, Ressonância Magnética Nuclear e ao Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio (LNNA), onde pesquisadores e empresas parceiras apresentaram soluções já no mercado ou em desenvolvimento que são aplicadas em outras cadeias produtivas.

“O que a gente viu aqui brilha aos olhos, a inovação que nós precisamos no nosso campo, acompanhando a evolução e a eficiência que temos nas nossas lavouras, nas nossas propriedades. Com certeza, isso é uma referência na nossa tecnologia brasileira”, declarou Alexandre Schenkel, ao final do encontro.

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana