conecte-se conosco


Economia

Sicredi libera R$ 40,6 mi em crédito para projetos de energia solar

Publicado

MidiaNews / Assessoria

Produção de energia sustentável é tendência em todo o mundo e os investimentos nos projetos de mini e microgeração energética tornam-se cada vez mais numerosos. Em busca de economia, pessoas físicas, empresas e produtores rurais investem na geração energética por fonte solar e têm retorno garantido.

Prova desse crescente movimento, o Sicredi registra aumento de 2.329% no saldo da carteira de crédito destinada ao financiamento de projetos de energia solar na região Centro Norte, que abrange os estados de Mato Grosso, Rondônia, Pará e Acre, no período de um ano. Em março deste ano, a carteira totalizou R$ 40,602 milhões, contra R$ 1,671 milhão no mesmo mês de 2018.

Dentro desses R$ 40,602 milhões, as empresas contrataram R$ 27,526 milhões (67,8%), as pessoas físicas urbanas contrataram R$ 7,274 milhões (18%) e os produtores rurais R$ 5,802 milhões (14,2%).

O saldo registrado em carteira corresponde a 567 operações, contratadas por associados que viram a oportunidade de investir em um projeto energético que trará economia ao longo de pelo menos 20 anos.

Para o gerente de Ciclo de Crédito da Central Sicredi Centro Norte, Fábio Antunes, o expressivo crescimento registrado na carteira de crédito para o financiamento de projetos de energia solar é explicado pelo interesse em economizar, seja por parte das empresas, domicílios ou fazendas.

“A energia solar é uma tendência e daqui pra frente a perspectiva é só aumentar e o Sicredi está à disposição dos associados para financiar esses projetos com taxas justas”, diz ele ao acrescentar que a instituição financeira cooperativa também firmou parcerias com entidades representativas de setores empresariais para fomentar a divulgação da linha de crédito. Uma das parcerias é com a Federação das Indústrias de Mato Grosso, no Programa de Energia Sustentável da Indústria (Pesi).

Antunes acrescenta que as cooperativas também realizam campanhas para divulgação da linha de crédito e oferecem condições especiais na contratação. Ele ressalta que o valor emprestado depende do projeto de energia solar que ele vai instalar. Nessas operações, a taxa de juros média é de 1,16% ao mês com prazo de pagamento de até 120 meses.

A possibilidade de uma redução significativa nos custos com energia foi o que motivou o produtor rural Francisco Rizzon, 54, de Tangará da Serra, a investir em um projeto foltovoltaico para geração de energia.  Há 10 anos ele cria cerca de 100 mil frangos na propriedade, que fornece as aves à Seara alimentos (do Grupo JBS). Investiu R$ 300 mil no projeto para instalação de placas sobre o barracão, que já estão gerando energia para os aviários, a residência dele e a do funcionário que mora na fazenda. Antes do projeto de energia solar o produtor tinha um gasto mensal de energia entre R$ 5 mil e R$ 6 mil. Agora zerou e o valor que antes usava para pagar a conta de luz ele custeia o financiamento. “Quando deixar de pagar a financiamento, pensa no dinheiro que vou economizar! Vai servir como uma aposentadoria”.

A redução na conta mensal também foi o principal incentivador do empresário do setor hoteleiro Everaldo Almeida, 59, também de Tangará da Serra. Há 15 anos na atividade, ele destaca o fato de Mato Grosso “ter um sol abençoado” e a possibilidade de reduzir o custo de energia do empreendimento foram os principais atrativos, porque segundo ele, já não tem mais como aumentar o valor das diárias para compensar o aumento das despesas.

Para ele, energia solar significa redução de custo e sustentabilidade. São 140 placas de energia com dois reversores e um transformador para uma produção de 5.900 kva mês frente a um consumo de 5.100 kva.

“Diante dessa sobra, pretendo comprar alguns equipamentos para o hotel. O investimento foi financiado 100% pelo Sicredi no valor de R$ 225 mil, que será pago em 50 meses”. Ele terá retorno do investimento em 42 meses. Pagava de R$ 6 mil a R$ 7 mil de energia e agora paga R$ 5,4 mil de financiamento. “Não adquiri despesa, só troquei o investimento”.

Energia solar é, sem dúvida, um negócio promissor no Brasil e também em Mato Grosso, onde faz sol praticamente o ano todo. Visando esse nicho de mercado, o empresário Alexandre Sperafico, que desde 2014 atua no setor e no ano passado fundou uma empresa (Enerzee) de instalação de projetos de geração de energia solar para residências, empresas e propriedades rurais.

“As pessoas e empresas estão preocupadas com o planeta e a energia solar é uma fonte praticamente inesgotável. Daqui a poucos anos teremos muita geração por essa fonte, com produção de energia sustentável. Nossa missão é oferecer soluções aos clientes com tecnologia e eficiência”, diz ao informar que o investimento é acessível e o valor depende do projeto, mas que o retorno vem em menos de cinco anos, e o sistema tem mais 25 anos de vida útil.

Sobre o Sicredi

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem um papel de dono do negócio.

Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.600 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros. Mais informações estão disponíveis em www.sicredi.com.br.

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

O Sicredi Centro Norte, composto pelos estados de Mato Grosso, Rondônia, Pará e Acre, tem aproximadamente de 422 mil associados, com 169 agências em 140 municípios.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Publicada lei que operacionaliza pagamento do benefício emergencial

Publicado

por

 Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 14.058/2020, originada da Medida Provisória (MP) 959/20, que trata da operacionalização do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm), pago a trabalhadores com redução de jornada e suspensão de contrato de trabalho durante a pandemia do novo coronavírus (covid-19). A lei foi publicada hoje no Diário Oficial da União.

Como tem força de lei, assim que foi publicada em abril, a medida provisória entrou em vigor e o benefício começou a ser pago. Mesmo assim, o texto precisou passar pela análise no Congresso Nacional.

A lei autoriza as instituições operacionalizadoras do pagamento, como a Caixa, a abrirem contas sociais digitais em nome dos beneficiários e com isenção de tarifas de manutenção. O trabalhador também tem direito a três transferências eletrônicas e a um saque ao mês, também sem custo. O dinheiro do benefício que não for movimentado na conta social depois de 180 dias será devolvido à União.

A medida também prevê o recebimento do BEm na instituição financeira em que o beneficiário possuir conta poupança ou conta de depósito à vista, exceto conta-salário. Para isso, ele deve autorizar o empregador a informar os seus dados bancários.

O benefício emergencial equivale a uma porcentagem do seguro-desemprego a que o empregado teria direito se fosse demitido. No mês passado, o presidente Jair Bolsonaro prorrogou o prazo do programa, que será de 180 dias.

Desde o início do programa, em abril, 9,7 milhões de trabalhadores já fecharam acordo com seus empregadores de suspensão de contratos de trabalho ou de redução de jornada e de salário em troca da complementação de renda e de manutenção do emprego. As estatísticas são atualizadas pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia em um painel virtual.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro

Publicado

por

Agência Brasil

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), registrou, em setembro, alta de 14,4% na comparação com agosto. É a maior alta da série histórica da pesquisa, iniciada em abril de 2011.

Apesar da alta mensal recorde, o indicador chegou a 91,6 pontos em uma escala de zero a 200 pontos, ainda 23,1% abaixo do patamar de setembro do ano passado.

Segundo o presidente da CNC, José Roberto Tadros, a expectativa é que a flexibilização das medidas de distanciamento social sustente a retomada da atividade econômica no terceiro trimestre. “O volume de vendas do comércio tem apresentado crescimento nos últimos meses, impulsionado pela reabertura das lojas do varejo não essencial, o que tem impactado na percepção cada vez mais otimista dos comerciantes”, disse Tadros.

Na comparação com agosto, houve alta em todos os componentes do indicador. As condições atuais do empresariado subiram 42,1%, avanço puxado principalmente pelo componente de confiança no momento atual da economia (alta de 65,6%).

Confiança no futuro
As expectativas cresceram 7,2%, influenciadas pelo aumento da confiança no futuro da economia (alta de 9,7%). Já as intenções de investimentos cresceram 13,1%, puxadas pelo componente de contratações de funcionários (alta de 22,3%).

Já na comparação com setembro de 2019 ocorreu o oposto, com queda em todos os componentes. As condições atuais caíram 41,5%, com destaque para o recuo 52,3% no momento atual da economia.

As expectativas recuaram 13,1%, também com destaque para a confiança na economia (-16,1%). Enquanto isso, as intenções de investimentos tiveram queda de 21,7%, com destaque para os investimentos na empresa (-32,3%).

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana