conecte-se conosco


Nacional

Braga Netto anuncia que haverá transição na intervenção no Rio

Publicado

Fernando Frazão/Agência Brasil/Agência Brasil

O general Walter Braga Netto conhece bem o Brasil inteiro. Não morou apenas em São Paulo. Mineiro de Belo Horizonte, conta que é da época em que se torcia por mais de um clube no Brasil. Por isso, é Cruzeiro em Minas Gerais. Santos em São Paulo. E Botafogo no Rio de Janeiro. Cidade aliás que ele conhece muito bem. Convocado pelo governo federal para ser o interventor na segurança pública do estado do Rio, Braga Netto tem vasta experiência. À frente do Comando Militar do Leste, convive diretamente com o problema da violência urbana desde os Jogos Olímpícos de 2016, quando era o responsável pelo evento como representante do Exército.

Braga Netto atendeu à equipe da Agência Brasil após a cerimônia de entrega de um novo lote de 265 viaturas para a Polícia Militar (PM). Equipar e treinar os policiais do estado é um dos legados que o interventor pretende deixar para sociedade. Assim como um modelo de gestão que inclui a valorização do policial e das corregedorias. Ele é categórico ao dizer que a intervenção vai até 31 de dezembro, mas espera conversar com o futuro governador, caso este queira. “[A prorrogação é] completamente desnecessária. Se não, vocês vão ficar dependentes o resto da vida.”

Braga Netto garante ainda que o carioca e o fluminense irão ver “uma melhora palpável, cada vez mais, até o fim do ano”. Segundo ele, já há uma mudança de postura do policial. “O policial tem de respeitar a população e a população tem de ver a polícia como uma autoridade. Hoje em dia, a palavra autoridade perdeu muito o conteúdo. O pessoal confunde autoridade com autoritarismo”, diz. E completa: “O crime nunca vai acabar. O que vai acontecer é que este crime de ostentar fuzil nós vamos combater com firmeza.”

Agência Brasil: O senhor esperava encontrar uma crise dessa proporção no Rio de Janeiro?
General Walter Braga Netto: Eu fui o coordenador dos Jogos Olímpicos para o Exército. Participei de praticamente todas as operações no Rio de Janeiro. O que a gente via num crescente era a deterioração econômica do Rio. O que nós estamos fazendo na intervenção, neste primeiro momento, é uma melhoria gigantesca de gestão. Estamos conseguindo resultados, mas o recurso federal tem uma burocracia que tem de ser seguida, mesmo com dispensa de licitação. O TCU [Tribunal de Contas da União] me pautou normas que tenho de seguir. O recurso ainda não foi utilizado. O que foi dado inicialmente foi um choque de liderança e gestão que fez cair os índices. Quando começarem a chegar as aquisições, isso deve melhorar muito. A população brasileira é muito imediatista. Ela quer o resultado assim: começou a intervenção hoje e, no dia seguinte, caíram todos os índices de criminalidade. Isso é paulatino. O Instituto de Segurança Pública [ISP] vai lançar agora os índices de junho e você vai ver que eles caíram de novo.

Agência Brasil: Quais índices caíram?
Braga Netto: Roubo de carga, de veículo. O próprio roubo de rua caiu. Você tem várias maneiras de ver a estatística. Se você compara todo o período do ano passado com todo o período deste ano, há uma distorção, porque houve uma greve [da Polícia Civil] em janeiro, fevereiro e março. Então a Polícia Civil não fez diversos registros. Mesmo assim, os índices caíram.

Agência Brasil: O senhor falou da lentidão e da burocracia na liberação das verbas.
Braga Netto: Eu tenho de especificar cada verba. Já foi feita toda a burocracia de mais ou menos 40% do valor que a intervenção recebeu. Isso dá quase R$ 500 milhões. Boa parte em cima de coletes, uniformes, armamento, viatura, material para a polícia técnica. [Todo esse recurso] está praticamente pronto para ser liberado.

Agência Brasil: No início, o senhor anunciou que a intervenção seria dividida em três partes. Haveria um choque, depois treinamento e aparelhamento, e finalmente a mudança na estruturação das polícias. Em que fase estamos?
Braga Netto: O primeiro gabinete que eu montei era uma estrutura de um quartel. Por quê? Porque eu recebi uma ligação no dia 15 de fevereiro e a minha publicação saiu no final de fevereiro. O anúncio foi em fevereiro e a aprovação para eu poder trazer pessoal de fora, que não seja militar, foi só em junho. Você imagina o seguinte. Eu te digo que eu tenho uma vaga com um DAS 6 [direção e assessoramento superior no nível mais alto]. O senhor vem trabalhar comigo? Mas tem um probleminha, eu te falo isso em abril e digo que a estrutura não está aprovada. Como a estrutura não está aprovada, não passou pelo Congresso, você não vai receber agora nem vai receber retroativamente. Ou seja, você vai pensar umas dez vezes antes de vir. Por isso é que a estrutura básica é de militares e por isso só agora começamos a chamar pessoal da AGU [Advocacia-Geral da União], do TCU, do governo do estado. Eu não gerencio, mas acompanho as finanças do estado. Tenho de tomar muito cuidado para não gerar custos ao governo estadual. Porque em 31 de dezembro acaba a intervenção.

Agência Brasil: O senhor vai conseguir cumprir o prazo? O Congresso já aprovou a prorrogação desses cargos comissionados até junho de 2019.
Braga Netto: Esses são os cargos basicamente técnicos que vão fazer a gestão. A intervenção acaba. O que fica depois de 31 [de dezembro] é o pessoal que vai fazer a transição e o legado. Eu já estou treinando esse pessoal. Quando nós sairmos, eles vão continuar a transição. Como eu falei, não há necessidade de permanecer a intervenção. Nós estamos deixando esse planejamento pronto. Há necessidade de mantê-lo e não deixar depois a segurança pública ser contaminada novamente por indicações políticas. Segurança pública tem de ser técnica, tem de ser por meritocracia.

Agência Brasil: O que o senhor está fazendo é uma estrutura para ser continuada?
Braga Netto: Exatamente. Estou ensinando a eles. Nosso pessoal está ensinando a eles. Aqui no Rio, o pessoal tinha perdido o hábito de planejar e de cumprir o rito administrativo. As compras eram muito por oportunidade. E não é assim. O pedido tem de ser feito dentro de uma logística. Os pedidos eram muito regionalizados. Não se pensava no estado do Rio de Janeiro como um todo.

Agência Brasil: O senhor teve dificuldades?
Braga Netto: A gente teve uma fase de adaptação. Não tivemos problemas operacionais. Também não me meti a ensinar para eles [policiais militares e civis] a fazer operação. Eles sabem fazer isto muito bem. Até melhor do que a gente. O que nós mostramos para eles é que havia necessidade de se fazer uma sequência logística. E pensar na vida útil dos materiais. Vou te dar um exemplo. O cara me pede 4 mil viaturas. Eu vou lá e compro. O que vai acontecer? Elas vão ficar velhas ao mesmo tempo. Eu vou precisar comprar mais 4 mil viaturas. Mas se eu tiver uma diagonal logística, eu vou lá e compro 2 mil este ano, 2 mil daqui a dois anos. E uso esse material para manutenção. Daqui a dois anos, ele vai ter 2 mil novas e 2 mil antigas em condição de uso. O que acontecia aqui é que ia rodando, rodando, até acabar.

Agência Brasil: Como é esta reestruturação das policias de que o senhor fala?
Braga Netto: Vou te dar o exemplo da UPP [Unidade de Polícia Pacificadora] da Mangueirinha. O pessoal dizia assim: quando acabar a UPP, vai ficar abandonado. A UPP da Mangueirinha acabou, os quatro batalhões da área foram beneficiados porque receberam o pessoal da Mangueirinha. E Mangueirinha continuou sem nenhum problema. Ninguém vai abandonar nada. O que nós estamos fazendo é um estudo e uma distribuição mais adequada.

Agência Brasil: Quanto tempo demora esta reestruturação?
Braga Netto: Isto vai ter de continuar. Eu vou dar início. Não fui eu quem planejou isto não. A própria PM já tinha planejado. A PM não teve oportunidade de implementar. Nós demos uma ajustada no planejamento.

Agência Brasil: Tem muita gente que pede a prorrogação da intervenção.
Braga Netto: Completamente desnecessária. Se não, vocês vão ficar dependentes o resto da vida. Não vai sair nunca. A qualidade do policial civil e do policial militar é muito boa. Tem gente que dá problema? Tem, como em qualquer instituição. Ela precisa ser valorizada e o chefe tem de ter liderança sobre a sua tropa.

Agência Brasil: O seu planejamento prevê tirar esta banda que dá problema?
Braga Netto: As corregedorias estão funcionando. Não só da Polícia Civil, como da Militar. Em todos os níveis. O pessoal acha que a corregedoria vai atacar só o nível mais baixo. A corregedoria está atuando em [casos de] oficiais, praça, delegado, agente. Já tem vários casos. Fortalecemos a corregedoria não só da polícia como da Seap [Secretaria de Administração Penitenciária].

Agência Brasil: E quando o senhor acha que acaba?
Braga Netto: Não tem data. Se não houver uma fiscalização constante, você sempre corre o risco de alguém se desvirtuar. Seja policial, das Forças Armadas, político, qualquer poder. Meu pai dizia o seguinte: a oportunidade não faz o ladrão, revela. Então você sempre tem de ter uma fiscalização. Nós vamos mostrar que ela está funcionando e se fortalecendo. E a nossa intenção é prover meios que facilitem o gerenciamento destes problemas. Estamos falando de tecnologia para deixar como um legado.

Agência Brasil: De que tipo?
Braga Netto: Transformar o Centro Integrado de Comando e Controle [CICC] numa central que concentra todo o tipo de informação. Você vai olhar a localização de todas as viaturas que estão andando. Vai facilitar a gestão e o controle. O comandante vai ter ciência de quantas vezes a unidade dele foi acionada pelo Disque-Denúncia. Se recebeu 19 acionamentos, mas só respondeu a três. Por quê? Só que ele vai ter acesso a essa informação, como o secretário vai ter acesso e a corregedoria também. A fiscalização é que faz a pessoa funcionar.

Agência Brasil: Neste período da intervenção, aconteceram duas situações críticas: o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes e a operação no Complexo da Maré que resultou na morte do estudante Marcos Vinicius.
Braga Netto: Quem fala sobre a Marielle é só a Homicídios. E não fala nada. Está correndo em segredo de Justiça. Temos equipes dedicadas exclusivamente ao caso. O pessoal está investigando para fazer uma aquisição de provas bem sólida. Não adianto nada do caso porque nem eu pergunto. Nem eu pressiono. Só pergunto ao secretário se está andando e ele fala que está andando muito bem. Quanto ao caso da Maré, foi aberta investigação por parte da Secretaria [de Segurança] para poder acertar os procedimentos do uso de helicóptero, na questão do horário de escola, utilização de armamento letal e menos letal. Estão ajustando os protocolos.

Agência Brasil: O Rio de Janeiro é uma vitrine, e a segurança é um problema do Brasil inteiro, em todas as esferas. A intervenção no Rio vai ajudar ou prejudicar nas eleições?
Braga Netto: A eleição não tem nada a ver com a intervenção. O que pode acontecer é que o modelo que estamos usando, de planejamento de gestão, seja adotado em outros estados. Não há necessidade de intervenção, mas um modelo de gestão que tenha de ser adaptado a cada região do país. Eu já rodei o país inteiro. Cada região tem um tipo de procedimento. São “países” diferentes. Aqui tem milícias, não é uma só, e diferentes facções. Em São Paulo tem uma facção só. Em cada estado, a abordagem da questão de segurança é diferente.

Agência Brasil: Quando é que o morador do Rio de Janeiro vai se sentir totalmente seguro?
Braga Netto: Eu não posso dizer para você quando vai se sentir, mas eu garanto que ele vai ver uma melhora palpável, cada vez mais, até o fim do ano. Você já vê pela própria postura do policial militar. Você já vê mais viaturas. O policial tem de respeitar a população, e a população tem de ver a polícia como uma autoridade. Hoje em dia, a palavra autoridade perdeu muito o conteúdo. O pessoal confunde autoridade com autoritarismo. O crime nunca vai acabar. O que vai acontecer é que este crime de ostentar fuzil nós vamos combater com firmeza.

Agência Brasil: Quantas pessoas vão ficar no grupo de legado para fazer a transição em 2019?
Braga Netto: Autorizados são 60 e poucos, mas eu tenho 45. Não vão ficar todos. Deve ficar um terço ou menos. Depois de junho nós saímos. Este prazo de junho não significa que eles sairão em 30 de junho. Pode chegar em abril e a gente concluir que terminou.

Agência Brasil: Muda alguma coisa depois de 31 de outubro?
Braga Netto: Em 31 de outubro, eu vou procurar o novo governador e apresentar para ele o que está sendo feito. Caberá a ele decidir tocar. Mas para mim o que vale é o decreto presidencial.

 

Fonte: Agência Brasil

 

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Dupla sertaneja e equipe sofrem grave acidente de ônibus em rodovia no interior de SP; cinco mortes já foram confirmadas

Publicado

por

Cinco mortes já foram confirmadas no grave acidente com o ônibus da dupla sertaneja Conrado e Aleksandro, na manhã deste sábado (7), na rodovia Régis Bittencout, na altura de Miracatu, no interior de São Paulo. As vítimas ainda não foram identificadas.

Segundo apurado pelo g1, ao menos 18 pessoas estavam no veículo, incluindo os artistas. Além dos óbitos confirmados, oito vítimas foram socorridas pela ambulância da concessionária, cinco estão sendo socorridas presas nas ferragens e uma vítima ainda não foi encontrado.

O acidente aconteceu, por volta das 10h30, no km 402,2 da pista com sentido São Paulo (SP). De acordo com a Arteris, concessionária que administra o trecho, há registro de 4km de congestionamento na pista sentido Curitiba e 2km no sentido São Paulo.

Ainda de acordo com a concessionária, uma faixa da pista e o canteiro central foram interditados. As causas do acidente ainda são desconhecidas.

Ao g1, o empresário da dupla, José Carlos Cassucce, confirmou que o ônibus envolvido no acidente é de Conrado e Aleksandro.

Segundo Cassuce, o veículo saiu de Tijucas do Sul (PR), onde a dupla fez um show na sexta-feira (6), e seguia com destino para São Pedro (SP), onde há um show agendado para este sábado.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Jornalista que atuava no Grupo gazeta agride Mulher no Paraná

Publicado

por

Daniel Santos apresentava o programa ‘Balanço Geral’ nesta segunda-feira (07), mas deixou a atração poucos minutos depois do início

O advogado Ricardo Baldan, que representa a vítima, conversou com a Banda B e contou que a mulher foi até o apartamento do apresentador para recuperar bens pessoais neste sábado (05).

“Ela mandou mensagens para ele durante a semana, pois tinha um ventilador e outros pertences na casa dele. No domingo, ela encontrou ele, que estava embriagado e com cheiro de bebidas alcoólicas. Desde o momento que ela chegou, ele tratou ela mal e no final houve uma discussão. Ela conta que foi empurrada por ele, pressionada contra o portão, e sofreu diversas escoriações no braço, na perna e em outras partes”, relatou o advogado.

Além das agressões, a vítima teria tido o celular quebrado pelo jornalista. Logo após o episódio, a mulher se dirigiu à Delegacia da Mulher para fazer as denúncias. Ela conseguiu uma medida protetiva contra o homem.

Um exame de corpo delito está marcado para ser realizado no Instituto Médico Legal (IML) nesta quarta-feira (09).

Relacionamento

Segundo Baldan, os dois se conheciam desde 2018 e tinham um relacionamento esporádico.

“Pelo o que ela me contou, eles tinham um relacionamento esporádico, não era algo estável e duradouro. Eles se conheceram em dezembro de 2018 e voltaram a se ver agora, em dezembro de 2021, ficaram algumas vezes, saíram juntos, mas nada muito sério”, explicou o advogado da vítima.

Recentemente, a mulher teria descoberta que Santos é casado e que sua esposa mora em outro estado.

O episódio de violência física teria sido o primeiro desde o início da relação, porém as humilhações seriam constantes.

“Ela relata que era muito humilhada por ele, não fisicamente, mas verbalmente e psicologicamente. Era chamada de bipolar, louca, era maltratada”, revelou Baldan.

Daniel Santos

Nesta segunda-feira, o jornalista Daniel Santos estava em seu primeiro dia no programa ‘Balanço Geral Curitiba’, da RIC TV, afiliada da Record, substituindo o apresentador titular, Jasson Goulart, que está de férias. Guilherme Rivaroli entrou no lugar do colega no meio da atração.

“Gente, hoje cinco minutos depois desse programa entrar no ar, a RIC TV foi comunicada que uma mulher estava na Delegacia da Mulher para fazer um boletim de ocorrência contra o apresentador Daniel Santos, que começou hoje a substituir o Jasson Goulart durante o período de férias do nosso apresentador titular”, disse Rivaroli.

O advogado que defende Santos, Ygor Nasser Salah Salmen, publicou nota dizendo que o jornalista e sua família estão sendo vítimas de “uma pessoa mal-intencionada”, que ele é inocente e que as acusações são caluniosas.

RIC TV

A RIC TV também se manifestou por meio de nota reiterando sua postura contrária a qualquer tipo de violência, em especial contra a mulher.

A emissora afirma que vai contribuir com o esclarecimento dos fatos e que o ‘Balanço Geral’ vai ficar por enquanto sob o comando do jornalista Guilherme Rivaroli e ainda deve anunciar o nome que estará à frente da atração nas próximas semanas.

Leia o comunicado na íntegra:

“A RIC TV afastou do trabalho o apresentador Daniel Santos ao ser informada de uma denúncia feita contra ele na Delegacia da Mulher. A RICtv adotou o procedimento assim que foi informada, a fim de contribuir com o esclarecimento dos fatos, reiterando sua postura contrária a qualquer tipo de violência, em especial contra a mulher.

Santos apresentava o programa Balanço Geral nesta segunda-feira, substituindo o titular Jasson Goulart, em seu período de férias. O programa ficou sob o comando do jornalista Guilherme Rivaroli e a RICtv ainda deve anunciar o nome que estará à frente do BG nas próximas semanas.”

 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana