conecte-se conosco


Economia

Caixa aumenta faixas de renda para Casa Verde e Amarela

Publicado

A partir de amanhã (22), mutuários que ganham até R$ 8 mil por mês passarão a ter acesso aos financiamentos do Programa Casa Verde e Amarela. Os juros da linha Pró-Cotista, destinados a pessoas de renda mais elevada, foram reduzidos.

As medidas foram anunciadas hoje (21) pela Caixa Econômica Federal. O banco oficializou decisão do Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que tinha aprovado as mudanças no início do mês.

Em relação às faixas de renda, as mudanças foram as seguintes:

Fonte: Conselho Curador do FGTS e Caixa Econômica Federal
Categoria Valores antigos (renda mensal) Novos valores (renda mensal)
Faixa 1 até R$ 2,4 mil mantida em R$ 2,4 mil
Faixa 1,5 de R$ 2,4 mil a R$ 2,6 mil de R$ 2,6 mil a R$ 3 mil
Faixa 2 de R$ 2,6 mil a R$ 3 mil de R$ 3 mil a R$ 4,4 mil
Faixa 3 de R$ 3 mil a R$ 7 mil de R$ 4,4 mil a R$ 8 mil

Em nota, a Caixa informou que a ampliação das faixas de renda permitirá que mais pessoas tenham acesso aos juros menores dos financiamentos com recursos do FGTS. Cada faixa do programa habitacional tem subsídios e condições diferenciadas.

Pró-Cotista

Em relação à linha Pró-Cotista, destinado a quem não tem acesso ao Programa Casa Verde e Amarela, as taxas foram reduzidas para quem efetivar a contratação até 31 de dezembro. Para os imóveis de até R$ 350 mil, os juros foram reduzidos em 1 ponto percentual. As taxas mínimas passaram de Taxa Referencial (TR) mais 8,66% ao ano para TR mais 7,66% ao ano.

Para unidades entre R$ 350 mil e R$ 1,5 milhão (teto do Sistema Financeiro Habitacional), a taxa caiu de TR mais 8,66% ao ano para TR mais 8,16% ao ano, com 0,5 ponto percentual de redução. A Caixa também ampliou, para 80% do valor de avaliação do imóvel, a cota de financiamento na linha Pró-Cotista.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Economia

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Bolsa cai mais de 2% com cenário externo desfavorável

Publicado

A perspectiva de aumento de juros nos Estados Unidos voltou a afetar o mercado financeiro global nesta sexta-feira (19). O dólar chegou a superar os R$ 5,20, mas caiu perto do fim da sessão e fechou praticamente estável. A bolsa da valores teve a maior queda em 40 dias e voltou aos 111 mil pontos.

O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 111.496 pontos, com recuo de 2,04%. Quase todas as ações caíram, com destaque para companhias aéreas, locadoras de veículos e incorporadoras imobiliárias. Essa foi a primeira queda após cinco altas seguidas, o que fez com que o indicador recuasse 1,13% na semana.

O mercado de câmbio teve um dia de volatilidade. O dólar comercial encerrou esta sexta vendido a R$ 5,168, com queda de 0,08%. A cotação chegou a encostar em R$ 5,22 no início da tarde, mas desacelerou e passou a cair perto do fim das negociações por causa de recursos trazidos por exportadores.

A moeda norte-americana subiu 1,86% na semana. Apesar da alta de hoje, a divisa acumula queda de 0,08% em agosto e de 7,27% em 2022.

Mais uma vez, o mercado internacional continuou a repercutir a ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano). No documento, divulgado na última quarta-feira (17), os dirigentes do Fed informaram que o órgão manterá os juros dos Estados Unidos elevados por longo tempo para segurar a inflação, que está no maior nível em 41 anos.

Taxas mais altas em economias avançadas estimulam a fuga de recursos de países emergentes, como o Brasil. Apesar de, num primeiro momento, os investidores terem interpretado que os juros norte-americanos seriam elevados em 0,5 ponto percentual na próxima reunião do Fed, parte do mercado acredita que haverá um novo aumento de 0,75 ponto.

A desaceleração da economia chinesa, afetada pelos lockdowns para conter a pandemia de covid-19 e pela crise no setor imobiliário, também afetou os países emergentes. Isso porque o país asiático é grande consumidor de commodities (bens primários com cotação internacional), cujos preços caíram nos últimos dias.

*Com informações da Reuters
 

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Economia

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

RJ e ES têm maiores altas na receita até o 3º bimestre

Publicado

Os estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo tiveram os maiores crescimentos de receitas correntes até o terceiro bimestre de 2022, segundo o Relatório Resumido da Execução Orçamentária, divulgado hoje (19) pelo Ministério da Economia.

O Rio de Janeiro teve alta de 36% nas receitas correntes, enquanto o Espírito Santo teve um acréscimo de 34%. Em terceiro lugar, com 32% de alta, empataram Pará, Mato Grosso e Santa Catarina. 

Com a exceção do Rio Grande do Sul, todos os estados tiveram aumento da receita e das despesas correntes acima da inflação, acumulada em 5,49% de janeiro a junho de 2022. No caso do orçamento gaúcho, tanto despesas quanto receitas correntes aumentaram apenas 5%.

Em relação às despesas correntes, a maior alta foi de Roraima, onde aumentaram 39%, superando a alta das receitas, que foi de 21%. 

As despesas também aumentaram mais do que as receitas em Rondônia (34% contra 31%), Ceará (28% contra 25%), Piauí (24% contra 22%), Minas Gerais (21% contra 18%) e Amazonas (28% contra 18%). 

O relatório mostra que São Paulo é o estado cuja receita própria corresponde ao maior percentual da receita corrente, com 93%, seguido por Rio de Janeiro, com 90%, e Rio Grande do Sul, com 83%. Na outra ponta, o Acre é o estado em que as transferências são a maior parte da receita corrente, com 71%.

Sobre as despesas, o relatório mostra que  Bahia, Espírito Santo e Santa Catarina foram os estados com o maior percentual de investimentos, correspondendo a 12% da receita total. O Amazonas foi estado que mais gastou com despesas de custeio, com 33%, e o Rio Grande do Sul foi que teve o maior percentual pago em despesas de pessoal, com 66%.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Economia

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana