conecte-se conosco


Economia

Franceses querem investir em Mato Grosso

Publicado

FolhaMax

Economia verde, alimentos, biocombustíveis, energia, manejo florestal, mineração, construção: esses são alguns dos setores que despertam o interesse de investidores franceses por Mato Grosso. O presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), Gustavo de Oliveira, apresentou as principais oportunidades econômicas do Estado nesta quarta-feira (05), no VI Fórum Econômico Brasil-França, em Paris – e ficou surpreso com a grande receptividade do público.

“É impressionante como todos aqui estão com grandes esperanças na iniciativa do governo brasileiro de atrair investimentos estrangeiros. O Brasil está abrindo uma nova fronteira para o desenvolvimento mundial em diversas áreas, como infraestrutura, saneamento, economia verde, parcerias público-privadas e outras”, comentou. Um dos principais receios do investidor, no entanto, é a segurança jurídica. “Fomos questionados e cobrados sobre a necessidade de garantir que não haja mudanças de regras frequentes”, alerta.

Um dos destaques para Mato Grosso foi o anúncio do ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz, de que as ferrovias Fico e Ferrogrão farão parte de um lote com pelo menos 105 projetos de concessão ou privatização que será liberado em novembro deste ano. O governo espera atrair de R$400 a R$450 bilhões em investimentos para o país com esses projetos. Até agora, já foram concedidos 147 projetos, gerando US$65 bi em investimentos e US$13,5 bi em valor de outorga para a União, de acordo com o ministro.

Ele destacou a diretriz de aumento da participação do setor privado na economia, com redução no tamanho do Estado e descentralização de recursos de modo a priorizar estados e municípios. De acordo com o ministro, trata-se de um esforço para o país, que passa por qualificação da mão-de-obra, modernização institucional, muito investimento em inovação, aumento da concorrência – principalmente em algumas áreas nas quais o setor público tem monopólio – abertura para novos atores empresariais e grandes investimentos em infraestrutura.

MATO GROSSO EM DESTAQUE – Convidado como painelista para o tema “Oportunidades de Parceria nos Estados Brasileiros”, Gustavo de Oliveira abordou o potencial de Mato Grosso em diversas áreas, com ênfase na economia verde, incluindo a necessidade de obras de infraestrutura, diversas possibilidades em energia limpa, construção civil e outras áreas.

“Também deixamos claro que em Mato Grosso existem atrativos que buscam compensar a nossa distância dos grandes mercados e as dificuldades com a logística. A redução do imposto renda por estar na área da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia, a Sudam, além dos incentivos fiscais nos impostos estaduais, são exemplos de atrativos que precisam ser mantidos. O momento era de grande importância para falar sobre o que temos de positivo e fortalecer nossa imagem”, afirmou Gustavo. “Isso faz parte do papel da Fiemt, buscar investidores que possam ajudar a promover a industrialização e o desenvolvimento socioeconômico de Mato Grosso, e se consolidar como interlocutora desses investidores”.

Como o Fórum foi realizado no Dia Mundial do Meio Ambiente, a iniciativa Produzir, Conservar e Incluir (PCI) fez parte da apresentação, assim como o setor de biocombustíveis, pois são temas que despertam a curiosidade do público-alvo do evento, de acordo com Gustavo. Ele também divulgou o encontro Amazônia +21, que será realizado pela Ação Pró Amazônia em 2020.

NOVOS RUMOS – O presidente do Conselho Empresarial Brasil França e do Movimento das Empresas da França (Medef), Alexis Duval, abriu o Fórum destacando a importância do Brasil para as empresas francesas, que já investiram mais de 24 bilhões de euros no país, geram mais de 500 mil empregos, investimentos todos de longo prazo e de todo tamanho, grandes, pequenas e médias. Ele reafirmou a importância para as empresas, além da segurança jurídica, do momento que o Brasil vive de uma pauta econômica mais liberal, de forte apoio do governo ao crescimento econômico, buscando o controle da inflação e priorizando o reequilíbrio das contas públicas.

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga, destacou que o país começou a traçar novos rumos para a economia desde 2016, já aprovou reforma trabalhista, tem uma agenda de controle dos gastos públicos e a partir da posse do presidente Bolsonaro e de um Congresso 50% renovado, diversos justes estão sendo feitos no Executivo e no Legislativo. “O principal foco agora é a reforma de Previdência, mas também trazer segurança jurídica. Destacamos também a participação muito importante do Brasil na OCDE, tudo isso trazendo boa perspectiva de recepção aos investimentos franceses”, disse.

Sobre o Fórum – Realizado pela CNI e sua congênere Medef, o VI Fórum Econômico Brasil-França reuniu lideranças empresariais dos dois países, com o objetivo de fortalecer a cooperação para aumentar o volume do intercâmbio comercial e dos investimentos recíprocos, por meio da promoção de um ambiente fluido e previsível de negócios.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Servidores do BC manterão greve até segunda-feira

Publicado

Em greve há quase três meses, os servidores do Banco Central (BC) manterão o movimento até a próxima segunda-feira (4). Em assembleia, a categoria decidiu continuar parada até o último dia possível para a concessão de aumentos salariais determinado pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

De acordo com o Sindicato Nacional de Funcionários do BC (Sinal), os servidores farão um ato virtual pela valorização da carreira no dia 4, com protestos contra o que consideram intransigência na postura do presidente da instituição, Roberto Campos Neto. Na terça-feira (5), os funcionários farão nova assembleia para decidir os rumos do movimento.

Pela Lei de Responsabilidade Fiscal, o Congresso precisaria aprovar, até 30 de junho, reajustes que reponham perdas com a inflação, com a lei entrando em vigor em 4 de julho. Para cumprir esse prazo, no entanto, o governo precisaria ter enviado projeto de lei ou medida provisória ao Congresso no fim de maio ou na primeira semana de junho.

Reivindicações

Em greve desde 1º de abril, os funcionários do BC reivindicam a reposição das perdas inflacionárias nos últimos anos, que chegam a 27%. Eles também pedem a mudança da nomenclatura de analista para auditor e a exigência de nível superior para ingresso de técnicos no BC.

Em 19 de abril, a categoria suspendeu a greve, mas retomou o movimento por tempo indeterminado desde 3 de maio. Desde então, só serviços considerados essenciais estão sendo executados, como as reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) e a divulgação do déficit primário no primeiro quadrimestre.

A divulgação de estatísticas, como o boletim Focus (pesquisa semanal com instituições financeiras), o fluxo cambial, o Relatório de Poupança e a taxa Ptax diária (taxa média de câmbio que serve de referência para algumas negociações), foi suspensa ou ocorre com bastante atraso. Projetos especiais, como a expansão do open banking e a segunda fase de consultas de saques de valores esquecidos, estão suspensos.

Desde o início do ano, diversas categorias do funcionalismo federal trabalham em esquema de operação padrão ou fazem greve porque o Orçamento de 2022 destinou R$ 1,7 bilhão para reajuste a forças federais de segurança. No fim de abril, o governo confirmou que estudava aumento linear de 5% para todo o funcionalismo, mas, no início do mês, o ministro da Economia, Paulo Guedes, descartou a concessão de reajustes em 2022.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Economia

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Dólar sobe para R$ 5,26 e fecha no maior valor desde fevereiro

Publicado

A possibilidade de os Estados Unidos entrarem em recessão fez o mercado financeiro ter um dia de nervosismo em todo o planeta. O dólar subiu e fechou no maior nível desde fevereiro. A bolsa de valores chegou a abrir em alta, mas perdeu fôlego no meio da sessão.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (28) vendido a R$ 5,266, com alta de R$ 0,032 (+0,6%). A cotação iniciou o dia em baixa, chegando a cair para R$ 5,19 na mínima do dia, por volta das 11h, mas reverteu a tendência durante a tarde, à medida que o pessimismo se consolidou no mercado internacional e local.

A moeda norte-americana está no maior valor desde 4 de fevereiro, quando tinha sido vendida a R$ 5,32. Nos últimos 16 pregões, o dólar subiu em 13. A divisa acumula alta de 10,79% em junho. Em 2022, recua 5,56%.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pelo nervosismo. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 100.591 pontos, com queda de 0,17%. Apesar da alta de ações de mineradoras e petroleiras, o indicador não resistiu à queda nas bolsas norte-americanas.

No início do dia, o mercado financeiro estava animado com o alívio nas medidas de lockdown contra a covid-19 na China. No entanto, a divulgação de que a confiança dos consumidores norte-americanos caiu para o menor nível desde fevereiro de 2021 trouxe pessimismo aos investidores, ao reforçar a expectativa de que os Estados Unidos podem entrar em recessão.

No Brasil, os investidores acompanham as negociações para elevar o valor do Auxílio Brasil para R$ 600. O receio do impacto da medida sobre as contas públicas afetou as negociações.

*com informações da Reuters

Edição: Bruna Saniele

Fonte: EBC Economia

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana