conecte-se conosco


Agronegócio

Milho disponível em Mato Grosso sobe 5% e instituto aponta tendência de nova melhora no preço

Publicado

O Instituto Mato-grossense de Ecomomia Agropecuária informou, ontem, em seu boletim semanal, que o “USDA reportou os novos números de oferta e demanda para o milho, trazendo projeções negativas para a safra 19/20. Devido às condições climáticas adversas que perduram na região meio-oeste dos EUA, o Departamento reduziu a estimativa de área cultivada e produtividade, resultando numa projeção de produção 8,98% menor que o estimado no relatório anterior. Com isso, os estoques finais de milho para a safra 19/20 apontaram uma redução de 32,59%.

Em consequência, as cotações no mês de julho na CME-Group registraram valores que não eram observados desde junho de 2016, atingindo os US$ 4,53/bu no contrato jul/19 no dia 14/06, o que representa uma valorização de 6,78% em junho de 2019.

“Além disso, essa alta na CME-Group teve reflexo nos preços do cereal em Mato Grosso, que também exibiu alta de 5,01% para o milho disponível, ao atingir R$ 23,03/sc na sexta-feira. Por isso, o produtor deve ficar atento às oportunidades na melhora dos preços do cereal”, orienta o IMEA.

Só Notícias (foto: arquivo/assessoria)

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Produtos típicos de Minas Gerais agora estão disponíveis para compra online

Publicado

Imagine saborear um café fresco coado, saborear queijo curado disposto à mesa, ou ainda, se deliciar com uma variedade de broa de fubá e pão de queijo recém-saídos do forno. Esses são apenas alguns dos prazeres gastronômicos proporcionados pela culinária de Minas Gerais, um verdadeiro patrimônio cultural muito apreciado em todo o Brasil.

E agora, a distância não é mais um obstáculo para os amantes dessa rica culinária.

Consumidores de todo o país agora têm acesso direto aos produtos de agricultores familiares mineiros por meio de um novo site lançado pela Emater-MG.

A plataforma, batizada de “É do Campo”, reúne uma gama diversificada de produtos típicos do estado, incluindo queijos, doces, café e cachaça.

Nesta primeira etapa, o site apresenta a produção de 40 agricultores de Minas Gerais, porém, nas próximas semanas, está prevista a inclusão de mais 60 agricultores, ampliando ainda mais a variedade de produtos disponíveis.

O diferencial do É do Campo está na venda direta, sem a interferência de atravessadores, o que assegura a qualidade e a procedência da produção. Além disso, novos itens serão incorporados à plataforma semanalmente.

Os agricultores que fazem parte do programa também recebem suporte técnico da Emater-MG para aprimorar a qualidade de seus produtos e aumentar a produtividade.

Meire Ribeiro, produtora rural de Sabará, município da região metropolitana de Belo Horizonte, está entusiasmada com a criação do É do Campo. Ela comercializa pela plataforma uma linha de produtos à base de jabuticaba, como molhos, doces em lata e geleias da marca Sabarabuçu.

“É muito gratificante ter essa oportunidade de exibir nossos produtos para um público maior na internet, com o respaldo da Emater. É incrível ter essa validação de que o seu produto é bom e de qualidade para oferecer ao público. É uma oportunidade maravilhosa”, comemora.

Thiara Viggiano, coordenadora técnica estadual da Emater-MG, destaca que a comercialização online é uma chance para os agricultores familiares ampliarem seus mercados e melhorarem sua renda.

“A Emater-MG está sempre buscando novas tecnologias para apoiar a agricultura familiar. O É do Campo é uma importante ferramenta para que os agricultores mineiros possam vender seus produtos para todo o Brasil”, ressalta Viggiano.

De acordo com a Emater-MG, novos produtos serão adicionados ao site semanalmente, assim que os agricultores tiverem seus cadastros aprovados.

Fonte: Pensar Agro

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Chuvas invertem e agora chove muito onde antes enfrentava seca

Publicado

As lavouras de soja no Sul do Brasil continuam enfrentando problemas com as intempéries climáticas. Regiões que enfrentavam seca agora estão enfrentando um período de chuvas, exceto na região centro-sul do Rio Grande do Sul, onde choveu demais e agora permanece mais seco.

Esta situação também se estende pelo Centro-Oeste, Sudeste e regiões Norte, beneficiando as áreas agrícolas com a umidade necessária para o cultivo. Entretanto, o norte de Minas Gerais e vastas áreas do Matopiba — que inclui partes do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia — enfrentam escassez de chuvas, o que pode afetar a umidade do solo nessas regiões.

No Centro-Oeste, que se destaca como a principal área de produção de soja do país, espera-se que as chuvas aliviem a seca do solo. Nas próximas duas semanas, até o dia 23 de dezembro, a previsão é de que as precipitações acumulem mais de 150 mm nos estados da região, trazendo alívio aos produtores. O Sudeste do Brasil deve acompanhar esse padrão pluviométrico.

No estado do Maranhão, destacando o município de Balsas — um dos mais relevantes para a produção do grão —, as chuvas prometem ser ainda mais generosas, podendo chegar a 340 mm até o término do ano. A intensidade da chuva deve se acentuar entre os dias 28 e 31 de dezembro, período em que se espera um alívio significativo para as condições de seca que vinham preocupando os agricultores da região.

Fonte: Pensar Agro

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana