conecte-se conosco


Economia

Namorados compram mais presentes pela internet e menos nas lojas

Publicado

G1

Os casais decidiram este ano comprar mais pela internet do que nas lojas físicas para presentear no Dia dos Namorados. Enquanto no comércio eletrônico as vendas aumentaram 24% em relação ao ano passado, no varejo físico houve queda de 2,9%, maior retração em dois anos.

Levantamento da Ebit|Nielsen, empresa de mensuração e análise de dados do comércio eletrônico brasileiro, mostra que, após um Dia Namorados fortemente impactado pela greve dos caminhoneiros em 2018, neste ano o comércio eletrônico faturou R$ 2,2 bilhões, crescimento nominal de 24% em relação ao mesmo período do ano passado (28 de maio a 11 de junho).

Embora o tíquete médio tenha sofrido uma variação negativa de 17%, com valor de R$ 384, o número de pedidos cresceu 50% em relação ao ano passado, com 5,7 milhões de pedidos.

As categorias que mais tiveram pedidos foram Perfumaria & Cosméticos (19,9%), Moda & Acessórios (18,2%), Casa & Decoração (10,3%), Eletrodomésticos (9,4%), Informática (5,9%), Telefonia & Celulares (4,8%), Esporte & Lazer (4,1%), Alimentos & Bebidas (3,8%), Eletrônicos (3,2%) e Livros (3,1%).

O estudo também mostra que, no início do mês de junho, as intenções de compra para o Dia dos Namorados estavam menor que no ano passado. Às vésperas da comemoração, no entanto, a porcentagem de compras com finalidade de presentear na data foi maior que em 2018.

Pior desempenho em dois anos

No varejo físico, levantamento do Serasa Experian revela que houve queda de 2,9% nas vendas durante a semana do Dia dos Namorados, de 6 a 12 de junho, quando comparada com o mesmo período do ano anterior.

Foi a maior queda ocorrida em comparação aos últimos dois anos – veja no gráfico abaixo.

O indicador também apresentou uma redução de 2,6% durante o final de semana que antecede a data (7 a 9 de junho) em todo o país.

Na cidade de São Paulo, as comercializações durante a semana do Dia dos Namorados, considerada a terceira data mais relevante do comércio brasileiro, diminuíram 6,3% em comparação com o ano anterior. Durante o final de semana, o indicador recuou 8,2% na capital paulista.

Os economistas da Serasa Experian avaliam que o comportamento segue o mesmo padrão já observado durante a data comemorativa do Dia das Mães deste ano, que teve queda de 1,4% em relação ao mesmo período no ano passado. O resultado negativo é influenciado pela inflação acumulada dos últimos três anos, pelas taxas de desemprego e, também, a retração de confiança do consumidor.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Nova presidente da Caixa assume cargo na terça-feira

Publicado

A economista Daniella Marques Consentino teve o nome aprovado hoje (1º) pelo Comitê de Elegibilidade da Caixa Econômica Federal e assinou o termo de posse. Ela assumirá oficialmente o cargo na próxima terça-feira (5), em cerimônia oficial no Palácio do Planalto.

Ex-secretária especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Daniella Consentino substituirá Pedro Guimarães, que pediu demissão nessa quarta-feira (29), após denúncias de assédio sexual que estão sendo investigadas pelo Ministério Público Federal e pelo Ministério Público do Trabalho. Ele negou as acusações na carta de renúncia.

No governo desde janeiro de 2019, Consentino foi chefe da Assessoria Especial de Assuntos Estratégicos do Ministério da Economia. Uma das principais assessoras do ministro Paulo Guedes, ela assumiu a Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade no início do ano.

Com formação em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), a nova presidente da Caixa tem MBA em Finanças pelo Ibmec e uma carreira no mercado financeiro. Foi diretora-executiva da Oren Investimentos e diretora de Risco e Compliance, sócia e gestora de Renda Variável da Mercatto Investimentos. Antes de entrar no governo, foi sócia do ministro Guedes na Bozano Investimentos, onde foi diretora de Compliance e Operações e Financeiras.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Economia

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Festas juninas devem movimentar este ano R$ 641 milhões em São Paulo

Publicado

As festas juninas devem movimentar R$ 641 milhões entre os meses de maio e julho no estado de São Paulo, segundo projeção do Centro de Inteligência da Economia do Turismo (Ciet), ligado à Secretaria de Turismo e Viagens. O centro calcula R$ 396,1 milhões de impacto direto e R$ 244,9 milhões de efeitos indiretos.

Uma grande parcela dessa movimentação financeira vem dos gastos do público durante os eventos, estimado em R$ 361,1 milhões. Os turistas representam 12% dos frequentadores das festas juninas, respondendo por 37% dos gastos (R$ 133,2 milhões), enquanto os moradores locais respondem por 63% do consumo (R$ 227,9 milhões), calculou o Ciet.

De acordo com informações do estado, em 2022, eventos em 316 municípios localizados em regiões turísticas devem reunir 3,7 milhões de pessoas, com geração de 15.950 empregos.

A projeção do Ciet mostra que as festas juninas deste ano praticamente recuperam o fluxo de visitantes e movimentação financeira, na comparação com o ano de 2019, período anterior à -pandemia.

De acordo com o centro, o publico médio estimado em 2022 é de 12 mil pessoas por evento. Em 2019, o público estava em torno de 14 mil, e a movimentação financeira foi de R$ 660 milhões.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Economia

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana