conecte-se conosco


Agronegócio

Produção de milho em MT deve ser de mais de 30 milhões de toneladas, segundo Conab

Publicado

Por G1MT

produção de milho segunda safra em Mato Grosso deve ser 30.093,7 milhões de toneladas, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgados nesta terça-feira (11). Uma variação de 14,9% comparado à safra anterior.

Entretanto, a estimativa do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), os números são um pouco maiores. O instituto prevê uma produção de 30.445,3 milhões de toneladas. Variando cerca de 10%, se comparada à safra 17/18.

A região do estado com maior produção de milho, nesta safra, é a médio-norte, onde são estimadas 13,3 milhões de toneladas.

A área total destinada ao cultivo de milho no estado é de mais de 4 milhões de hectares.

Ainda segundo o Imea, os números para a comercialização também estão bons. Em maio, as vendas para a safra 18/19 alcançaram 69,21% da produção, após apresentar um avanço mensal de 6,92 pontos percentuais

A saca foi negociada a um preço médio de R$ 20,61. As vendas foram impulsionadas, principalmente, na segunda quinzena do mês, após a valorização do milho no mercado externo e aumento da demanda para o confinamento pecuário no estado.

Comentários Facebook
publicidade

Agronegócio

Vetos ao março temporal devem ser discutidos quinta

Publicado

O Congresso Nacional deve votar vetos presidenciais, incluindo o veto ao marco temporal, na próxima quinta-feira (14.12). A expectativa é de que os vetos presidenciais sejam derrubados e prevaleça a posição dos produtores, defendida pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

A questão do Marco Temporal preocupa os produtores rurais porque muitas áreas agrícolas consolidadas podem ser desapropriadas, o que traz insegurança jurídica ao setor.

A Constituição de 1988 definiu o Marco Temporal em 5 de outubro de 1988, só faltava  uma lei para regulamentar. O STF então não reconheceu o marco, previu indenização das propriedades desapropriadas, o que só fez aumentar a insegurança dos produtores. O Congresso  aprovou uma lei mantendo o marco que foi parcialmente vetada pelo Presidente Lula.

Segundo especialistas do setor, a agricultura ocupa hoje menos de 8% do território nacional enquanto os indígenas ocupam de 13% a 14% e com o Marco Temporal chegariam praticamente 30%.

CASE – Um exemplo do que pode ocorrer em todo o País, caso os vetos sejam mantidos, vem de Araquari, Norte de Santa Catarina. Agricultores, com mais de 60 anos de posse das terras, estão em conflito com indígenas desde 2012. O confronto já virou caso de polícia por conta das cercas em suas propriedades. Os indígenas alegam ocupação tradicional e registraram queixa contra os agricultores.

“Meu pai comprou essas terras com muito esforço. Não é justo a Funai alegar agora que são território indígena. Eles se sentem impotentes, não podem falar nem andar em suas próprias terras”, lamenta Rosane Maia, filha dos agricultores, lamentou a produtora rural.

Fonte: Pensar Agro

Comentários Facebook
Continue lendo

Agronegócio

Parlamento britânico apoia UE nas restrições a produtos do agronegócio brasileiro

Publicado

O Parlamento Europeu, respaldou no sábado (09.12) a decisão da Comissão Europeia, de impor restrições a produtos importados para garantir que não provenham de áreas desmatadas.

A decisão inclui carne bovina, couro, cacau, óleo de palma e soja. O governo britânico afirmou que as novas leis impedirão a presença de produtos provenientes de terras associadas ao desmatamento ilegal em seus supermercados. A medida visa salvaguardar habitats de espécies como tigres e leopardos, direcionando a regulamentação não apenas às florestas brasileiras, mas a diversas regiões.

Diferenciando-se da regulamentação europeia, a decisão britânica levará em conta as leis do país de origem dos produtos. O texto ressalta que a expansão agrícola é o principal fator de desmatamento, equivalente a uma área do tamanho do Reino Unido anualmente para atender à demanda britânica.

O governo destaca a mudança significativa da abordagem voluntária para a proteção das florestas, buscando garantir o futuro desses ecossistemas vitais na luta contra as mudanças climáticas. Empresas com faturamento global acima de 50 milhões de libras esterlinas serão proibidas de utilizar produtos de áreas desmatadas ilegalmente.

Além disso, as empresas devem realizar verificações em suas cadeias de suprimentos e fornecer relatórios anuais para assegurar transparência no processo.

O secretário do Ambiente, Steve Barclay, lamentou os efeitos do desmatamento ilegal e salientou o compromisso do Reino Unido em não contribuir com essa prática, afirmando que o dinheiro gasto no país faz parte da solução, não do problema.

Barclay estabelecerá prioridades para a restauração das florestas na COP28, alinhadas às metas definidas pelo primeiro-ministro Rishi Sunak na conferência.

Com informações de Paula Pacheco da Revista Exame

Fonte: Pensar Agro

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana