conecte-se conosco


Política MT

Silval Barbosa diz que governador Pedro Taques (PSD) entregará MT pior do que antes

Publicado

Ex-governador Silval Barbosa diz que “deixou” R$610 milhões ao entregar cargo a Taques (PSD). Silval prestou depoimento à CGE sobre esquema de propinas em secretaria.

ex-governador, Silval Barbosa, disse que situação de Mato Grosso piorou após administração de Pedro Taques (PSD). Para ele, Taques (PSD) finalizará mandato deixando estado pior do que quando foi eleito.

A afirmação foi feita por Silval em coletiva com repórteres após o ex-governador prestar depoimento na Sede da Controladoria Geral do Estado (GCE), em Cuiabá, como parte de investigação em contratos irregulares entre a Secretaria Estadual de Pavimentação Urbana (Setpu) e empresas de terraplanagem e construção de estradas.

Sobre ter deixado apenas R$25 mil em caixa entre a transição de seu mandato para o do atual governador, Silval afirmou que Taques “já entrou mentindo”.

De acordo com ele, cerca de R$4 bilhões em recursos do governo dele foram deixados para investimento no mandato de Taques (PSD).

“Ele [Taques] diz que deixei apenas R$ 25 mil em caixa. Apresentei dia 30 de dezembro e no dia seguinte deixei, só na conta do Banco do Brasil, R$610 milhões”, explicou.

Quando questionado sobre a atual situação política e financeira de Mato Grosso, Silval afirmou que Taques (PSD) deixará o estado pior do que quando iniciou seu mandato, em 2015.

Sobre sua administração, Silval afirmou que o fato de ter se sujeitado a corrupção comprometeu o avanço em obras de Cuiabá, por exemplo.

“Tive a oportunidade de fazer muito por Mato Grosso com a relação que construí com o Governo Federal. Infelizmente me sujeitei por extorsão e por propinas exigidas a mim. Me sujeitei a ceder”, disse. Para ele, algumas obras na região metropolitana não foram finalizadas por não dependerem apenas dele.

“Todas as obras foram feitas e se não fossem essas obras, hoje o trânsito de Cuiabá seria um caos. Construí cerca de 60 projetos e algumas obras ficaram sem acabar”, avaliou.

Silval também citou a construção do novo Pronto Socorro de Cuiabá como uma das poucas obras importantes realizadas pelo governo Taques (PSD) na região metropolitana.

A obra é uma parceria entre Governo e Prefeitura e foi orçada em R$80 milhões. A previsão era de que a obra fosse entregue no primeiro semestre deste ano.

“Já divulgaram duas ou três datas de entrega, mas está em atraso e pelo jeito não vai entregar esse ano. Nesse caso o próximo deve concluir, assim é o Governo”, disse.

De acordo com ele, uma série de fatores impede que todos os projetos sejam realizados durante os quatro anos de mandato.

“Não é possível por sérios motivos, como falta de recursos, problemas e licitações e tudo mais. Assumi várias obras [do governo anterior], comecei o Hospital Julio Muller e deixei dinheiro na conta, mas a obra está paralisada e não é prioridade”, explicou.

 

Propina nas patrulhas rodoviárias

A oitiva é parte de um processo instaurado pelo órgão para investigar supostas irregularidades em contratos entre a Setpu e empresas de terraplanagem e construção de estradas.

Segundo a CGE, os contratos com a Trimec Construções e Terraplenagem Ltda e a Strada Construtora e Incorporadora Ltda foram firmados em 2011, ano em que Silval era governador.

Em trechos da delação do ex-governador firmada com o Superior Tribunal Federal de Justiça (STF), Silval afirma divergências nos contratos e uso do programa de manutenção das estradas para desvio de recursos públicos.

Uma auditoria realizada pela CGE apontou diversas irregularidades nos acordos, além de constatar cláusulas descumpridas por parte das empresas.

Em janeiro deste ano, Silval foi ouvido pela CGE para esclarecer irregularidades cometidas no governo dele em contratos com mais de 100 empresas.

Essa, porém, é a primeira vez que Silval presta depoimento sobre o esquema de propinas na Setpu.

O órgão verificou também que os contratos foram aditivados em 18,17% e 21,10%, sem justificativa plausível, 3 meses após o início da vigência, passando de R$35 milhões para R$41,5 milhões.

Fonte: Muvuca Popular

Comentários Facebook
publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política MT

Deputados derrubam vetos do governo. Só no PLDO foram derrubados quatro vetos

Publicado

Os deputados estaduais de Mato Grosso, em sessão ordinária nesta quarta-feira (29), derrubaram cinco vetos do governador Mauro Mendes (União), a projetos aprovados na Casa de Leis. Foram três sessões ordinárias para votar os vetos e projetos em tramitação no plenário da Assembleia Legislativa. Os parlamentares derrubaram os vetos 64/2023, 101/2023, 67/2023, 71/2023 e o veto 106/2023. Só no PLDO foram derrubados outros quatro vetos apostos.

O Veto 106/2023, veto parcial aposto ao Projeto de Lei 1399/2023, que dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da Lei Orçamentária de 2024 e dá outras providências, de autoria do Executivo, teve a votação de dez vetos apostos, relacionados a emendas e parágrafos.

Dos dez vetos apostos ao PL 1399/2023, os deputados derrubaram quatro vetos, sendo o veto 3, veto ao artigo 30, parágrafo único, que diz que “emendas parlamentares Impositivas não serão contabilizadas no limite estabelecido no caput ”, o veto 6, que trata da programação de despesas no Projeto de Lei Orçamentária para pavimentação asfáltica do trecho da rodovia MT-030, que liga o Município de Cuiabá ao Município de Chapada dos Guimarães.

O veto 7, que prevê programações orçamentárias para viabilizar a implantação de uma unidade de Medicina Legal (IML) no Município de Várzea Grande e o veto 8, que trata das “iniciativas voltadas ao Fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial e de Qualificação dos Servidores em saúde mental, constantes na Ação 2520, Subseção 2, Etapa III, deverão constar dentre as prioridades da área de Saúde, integrantes do Anexo de Metas e Prioridades”.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (União), num balanço das sessões ordinárias, falou sobre a derrubada de vetos pelos deputados. “São vetos importantes que foram derrubados, que não têm nem sentido vetar. “A MT-030 é muito importante, ela é uma rodovia que já está na cabeça de todos os cuiabanos, de todos os chapadenses, de todos que moram nessa região como uma alternativa importante para essa rodovia que está totalmente congestionada que é a Emanuel Pinheiro, Cuiabá-Chapada”, disse Botelho.

“O deputado Nininho colocou, a Assembleia aprovou, teve o apoio de todo mundo, o governo vetou e a Assembleia derrubou o veto. E o IML de Várzea Grande é uma reivindicação antiga, as pessoas de Várzea Grande sofrem com isso. Então foi uma derrubada de veto também que eu vejo como muito importante, os deputados estão de parabéns porque Várzea Grande merece e a rodovia também, todos os mato-grossenses e cuiabanos merecem”, completou.


Secretaria de Comunicação Social

Telefone: (65) 3313-6283

E-mail: [email protected]


Fonte: ALMT – MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Linguagem simples deverá aproximar instituições públicas e população

Publicado

A compreensão é prerrogativa para a inclusão e a integração. Pensando nisso, a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) aprovou e o Governo do Estado sancionou a Lei 12.336, que institui a Política Estadual de Linguagem Simples e de Direito Visual nos órgãos e nas entidades da administração direta e indireta  de Mato Grosso. O instrumento busca promover uma mudança na cultura da comunicação administrativa, tornando as informações mais claras e compreensíveis para toda a população.

Entre os principais objetivos da Lei 12.336 está garantir que todas as pessoas consigam encontrar rapidamente as informações públicas, entendê-las imediatamente e usá-las com facilidade e segurança. A política também deverá romper com a cultura da escrita complexa, garantindo, além do acesso, a transparência e estimulando a participação social e a fiscalização das ações públicas.

Além da escrita, a comunicação compreensível e clara deverá incluir linguagem escrita, audiovisual, verbal e os canais físicos e digitais.

O deputado estadual Max Russi, que apresentou o projeto de lei no Parlamento, defende justamente que a linguagem seja um instrumento para ampliar o acesso e participação da população nos ambientes onde as políticas públicas são pensadas, desenvolvidas e aplicadas. 

“É preciso garantir o acesso à informação para que tenhamos uma população mais participativa, fomentando principalmente a inclusão. Esse é um dos nossos principais papéis como agentes políticos: criar mecanismo para facilitar esse acesso. Tenho certeza que essa lei vai ser fundamental para isso”, afirma o primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, Max Russi.

Foto: PUBLICIDADE / ALMT

O texto aprovado incluía as diretrizes e as etapas da construção da Linguagem Simples, elaborados com as técnicas de linguagem simples e direito visual. As orientações estão presentes na Lei por meio de um anexo.

Caberá a cada órgão e entidade usar suas dotações consignadas orçamentárias para custear possíveis despesas para a efetivação e implantação da linguagem simples e de direito visual.

Vale lembrar que a mudança de uma cultura é um processo e, como tal, é constante e depende do envolvimento de diferentes áreas e setores para que o resultado seja satisfatório. De acordo com a Política, os órgãos e instituições deverão criar e institucionalizar ações permanentes e núcleos internos de linguagem simples; incorporar a linguagem simples em seu planejamento estratégico e participar de redes e instituições conectadas ao tema da linguagem simples.

Para compreender e entender melhor, acesse o anexo aqui.


Secretaria de Comunicação Social

Telefone: (65) 3313-6283

E-mail: [email protected]


Fonte: ALMT – MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Cidades

Nortão

Policial

Mais Lidas da Semana